Busca avançada
Ano de início
Entree


A monopolização territorial e a (re) construção do território camponês em projetos de assentamento de reforma agrária

Texto completo
Autor(es):
Dorival Borelli Filho
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Geociências e Ciências Exatas.
Data de defesa:
Membros da banca:
Rosemeire Aparecida de Almeida; Vicente Eudes Lemos Alves; Eliane Tomiasi Paulino; Larissa Mies Bombardi
Orientador: José Gilberto de Souza
Resumo

O presente estudo objetiva realizar uma análise qualitativa dos Projetos de Desenvolvimento Sustentável (PDSs) implementados pelo INCRA/SP, na Região de Ribeirão Preto (SP), possuindo o seu território como fundamento de resistência e consolidação de seu projeto político, em uma análise comparativa com os processos de monopolização territorial engendrados pelo capital agroindustrial sobre os projetos de assentamento convencionais (PAs), fenômeno recorrente na Região de Araraquara. Neste sentido, esta análise procurou demonstrar o caráter transformador dos movimentos sociais camponeses ao se territorializarem, introduzindo lógicas e práticas sócio-espaciais capazes de produzirem territórios e territorialidades diferenciados, transformações sociais e rupturas no embate com as lógicas e práticas sócio-espaciais engendradas pelo capital agroindustrial. Para tanto, além de uma revisão bibliográfica de caráter teórico e levantamento de dados secundário, empreendeu-se nesta pesquisa a realização de entrevistas semiestruturadas junto aos grupos sociais assentados, ressoando a “voz” aos sujeitos da reforma agrária. A partir dos dados coletados em campo considera-se que as práticas sócio-espaciais expressam a dimensão territorial dos sujeitos e, portanto, as condições de afirmação e negação de sua trajetória histórica de classe (camponesa), produzindo espacialidades distintas/antagônicas. Os projetos de assentamento convencionais (PAs) com forte processo de monopolização territorial do capital denotam práticas que transfiguram o ethos camponês ao fundar relações sociais e produtivas pela lógica da mercadoria, da renda da terra e de transformação ou da proeminência do valor de troca em detrimento ao valor de uso da terra. Os projetos de assentamento ambientalmente diferenciados (PDSs) com trajetórias ou práticas sócio-espaciais nos remetem à dimensão central das formas de reprodução camponesa... (AU)

Processo FAPESP: 11/00831-4 - A monopolização territoral e a (re) construção do território camponês em projetos de assentamento de reforma agrária
Beneficiário:Dorival Borelli Filho
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado