Busca avançada
Ano de início
Entree


Viabilidade de sementes de Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos armazenadas nos frutos

Texto completo
Autor(es):
Maria Rita Silva Gilli Martins
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências Agronômicas (Campus de Botucatu).
Data de defesa:
Membros da banca:
Gisela Ferreira; João Nakagawa
Orientador: Edson Seizo Mori
Resumo

O objetivo da pesquisa foi avaliar o comportamento das sementes de Handroanthus heptaphyllus (VELL.) MATTOS, armazenadas dentro dos frutos e de forma convencional. Os frutos e as sementes foram armazenados em sacos de papel permeáveis, para avaliações pelo período de 8 meses. Testaram-se três diferentes locais: câmara seca, a 20º C e UR de 45%; câmara fria, a 10ºC e UR de 90%; e ambiente de laboratório, sem controle de temperatura e umidade. Avaliou-se germinação, condutividade elétrica, teor de água das sementes e dos frutos, teor de proteína solúvel e teor de lipídeos e atividade da enzima peroxidase e polifenoloxidase. Também mediu-se o dimensionamento das sementes (comprimento, altura e espessura), para caracterização do lote. As sementes colhidas após 120 da antese apresentaram boa germinação (83%) e condutividade elétrica (40,7 μs.cm-1.g-1), mesmo estando com alto teor de água (49,3%). De forma geral, as sementes armazenadas da forma convencional apresentaram melhores resultados dos parâmetros avaliados com relação às sementes armazenadas dentro dos frutos. Os valores de germinação e teor de água apresentaram queda ao longo do tempo, enquanto os valores da condutividade elétrica aumentaram. Os resultados observados para as sementes armazenadas em câmara fria foram superiores aos demais locais de armazenamento. Verificou-se maior atividade da enzima peroxidase nos frutos, em relação às sementes, quando em câmara seca. Entre as sementes, a atividade nas sementes dos frutos foi menor, quando armazenadas em câmara fria. Em câmara seca e ambiente, a atividade da peroxidase foi menor nas sementes convencionais. A atividade da polifenoloxidase foi maior nos frutos em todos os locais de armazenamento, também foi maior nas sementes convencionais quando em câmara fria e quando em câmara seca até o 4° mês. Já em ambiente foi menor nas sementes ... (AU)

Processo FAPESP: 10/14035-2 - Viabilidade de sementes de Handroanthus heptaphyllus armazenadas nos frutos
Beneficiário:Maria Rita Silva Gilli Martins
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado