Busca avançada
Ano de início
Entree


Ciclagem do nitrogênio relacionada ao sistema de produção

Texto completo
Autor(es):
Laércio Augusto Pivetta
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências Agronômicas (Campus de Botucatu).
Data de defesa:
Membros da banca:
Rogerio Peres Soratto; Monica Sarolli Silva de Mendonça Costa; André Cesar Vitti; Paulo César Ocheuze Trivelin
Orientador: Ciro Antonio Rosolem
Resumo

O conhecimento de como o manejo do solo influencia na dinâmica do nitrogênio (N) em longo prazo pode fornecer bases para desenvolver sistemas de produção que otimizem a ciclagem deste nutriente. Objetivou-se com este trabalho avaliar o efeito de sistemas de manejo, com plantas de cobertura e escarificação, em rotação com a cultura da soja, no balanço e ciclagem do N e na produtividade da soja. O experimento vem sendo conduzido desde 2003, em um Nitossolo Vermelho distroférrico, estruturado, de textura argilosa. O experimento foi delineado em blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas, com quatro repetições. As parcelas foram constituídas pelas culturas de inverno triticale (X Triticosecale) e girassol (Helianthus annuus), e as subparcelas pelos manejos de primavera, milheto (Pennisetum glaucum), sorgo forrageiro (Sorghum bicolor) e crotalária júncea (Crotalaria juncea), além da escarificação, que foi realizada em 2003 e 2009, também na primavera. Na safra de verão foi cultivada a soja (Glycine max), em todas as subparcelas. A ciclagem e o balanço do N foram estudados por determinações de N-total e estoque de N no solo, massa de matéria seca e acúmulo de N da palhada e da parte aérea das culturas, produtividade e exportação de N pelas culturas de outono/inverno e da soja, saídas de N por lixiviação de NO3- e emissão de NH3 e N2O, além da quantificação das entradas de N no sistema via deposição atmosférica, pulverização de defensivos e sementes. As saídas de N oscilaram entre 1,2 a 3,3, 8,2 a 8,9 e 12,2 a 50,4 kg ha-1 ano-1 para emissão de N2O, volatilização de NH3 e lixiviação de NO3-, respectivamente. As culturas de outono/inverno pouco se diferenciaram na ciclagem de N no sistema solo-planta. Os manejos de primavera se diferenciaram mais na lixiviação de NO3-. Apesar de a crotalária apresentar maior perda de N por lixiviação, devido ao ... (AU)

Processo FAPESP: 11/01957-1 - Ciclagem do nitrogênio relacionada ao sistema de produção
Beneficiário:Laercio Augusto Pivetta
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado