Busca avançada
Ano de início
Entree


Enunciação e intertextualidade no filme As Horas, de Stephen Daldry

Texto completo
Autor(es):
Taís de Oliveira
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Data de defesa:
Membros da banca:
Elizabeth Harkot de La Taille; Norma Discini de Campos; Maria Giulia Dondero
Orientador: Elizabeth Harkot de La Taille
Resumo

Tendo por teoria norteadora a Semiótica Discursiva de linha francesa analisamos o filme As horas (The Hours, Stephen Daldry, 2002), adaptação fílmica do romance homônimo de Michael Cunningham (The Hours, 1998). Embora se trate de uma adaptação intersemiótica, não fazemos aqui um estudo sobre este tema. Nosso principal objetivo é analisar o filme As horas à luz da Semiótica Discursiva, identificando os elementos intertextuais contidos no filme e desvelando o papel destes no processo de construção dos efeitos de sentido da obra. O corpus escolhido é constituído por diversos intertextos, já que se trata de uma obra baseada no romance Mrs. Dalloway (WOOLF, 2003 [1925]) e na biografia de Virginia Woolf, proporcionando assim vários níveis de leitura. Sua análise é, portanto, desafiadora, principalmente quanto ao recorte a ser adotado. O texto apresenta diferentes níveis de produção de efeitos de sentido, dependentes da competência do enunciatário em identificar remissões ou citações ali presentes. Partimos de uma análise imanente estrita ao filme baseando-nos na teoria semiótica clássica (GREIMAS; COURTÉS, 2008 [1979]), na semiótica tensiva (ZILBERBERG, 2006 [1988] & FONTANILLE, 1995) e na sociossemiótica (LANDOWSKI, 2004; 2005a; 2005b) , passamos pelas questões de intratextualidade (GREIMAS; COURTÉS, 1986) e de enunciação enunciada (DONDERO, 2013a; 2013b; 2014), mostrando como o filme reflete sobre si mesmo e sobre o fazer literário, adquirindo um caráter metassemiótico (KLINKENBERG, 2000), e finalizamos pela discussão sobre a intertextualidade do filme (FIORIN, 2003) e sobre sua autonomia enquanto produtor de sentido (DISCINI, 2004 [2001]). (AU)

Processo FAPESP: 12/24233-1 - Enunciação e intertextualidade no filme as horas, de Stephen Daldry
Beneficiário:Taís de Oliveira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado