Busca avançada
Ano de início
Entree


Disposição cinética, metabolismo e permeabilidade intestinal in vitro do alcaloide Govaniadina

Texto completo
Autor(es):
Lucas Maciel Mauriz Marques
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Ribeirão Preto.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto
Data de defesa:
Membros da banca:
Norberto Peporine Lopes; Vanderlan da Silva Bolzani; Teresa Cristina Tavares Dalla Costa; Maria Jose Vieira Fonseca; Ricardo Vessecchi Lourenço
Orientador: Norberto Peporine Lopes
Resumo

Ao longo da história da humanidade, os produtos naturais oriundos de plantas, vêm sendo investigados e utilizados no tratamento de inúmeras doenças. Os alcaloides do gênero Corydalis, do tipo tetrahidroprotoberberina e, em especial a govaniadina, foram identificados como uma nova categoria de ligantes dopaminérgicos e responsáveis por atividades analgésica, antimalárica, leishmanicida e antiurease. A partir destes dados, objetivou-se investigar o perfil farmacocinético, o metabolismo e a permeabilidade intestinal in vitro do alcaloide govaniadina. Como resultado geral para o metabolismo in vitro, empregando fração microssomal animal e humana, foram obtidos cinco metabólitos: um O-desmetilado (M1); um di-hidroxilado (M2); um mono-hidroxilado (M3) e dois glicuronidados (M4 e M5). Um método por CLUEEM/ EM foi desenvolvido e validado para investigação do perfil farmacocinético da govaniadina em plasma de ratos, após a administração intravenosa. A análise das curvas de decaimento plasmático versus tempo de coleta indicam que os dados se ajustam ao modelo bicompartimental, com meia-vida de distribuição = 9,2 ± 8,9 min, clearance = 41,7 ± 30,4 mL min-1 kg-1 e meia-vida de eliminação = 55,1 ± 37,9 min. Com relação aos estudos de viabilidade celular, a govaniadina apresentou efeitos citotóxicos moderados frente às linhagens celulares Hep G2, HeK-T-293 e CCFSTTG1 em concentrações até 100 ?mol L-1. Estudo de permeabilidade intestinal in vitro em modelo Caco-2, sugere transporte por difusão passiva, com coeficiente de permeabilidade aparente de 20,6 ± 3,9 × 10-6 cm/s e taxa de efluxo de 0,55. Estes resultados serão importantes para direcionar os experimentos futuros no que tange ao desenvolvimento farmacêutico da govaniadina (AU)

Processo FAPESP: 13/16496-5 - Avaliação do metabolismo in vitro, in vivo e do perfil farmacocinético do alcalóide govaniadina
Beneficiário:Lucas Maciel Mauriz Marques
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado