Busca avançada
Ano de início
Entree


Algodão e o comércio internacional do Brasil durante a revolução industrial

Texto completo
Autor(es):
Thales Augusto Zamberlan Pereira
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
Data de defesa:
Membros da banca:
Renato Perim Colistete; Maria Alejandra Irigoin; Rafael de Bivar Marquese; Willian Roderich Summerhill; André Arruda Villela
Orientador: Renato Perim Colistete
Resumo

Essa dissertação fornece uma nova interpretação para a ascensão e subsequente declínio do Brasil como um fornecedor de algodão para o setor têxtil britânico durante a Revolução Industrial.Entre 1791 e 1801, o nordeste do Brasil alcançou uma participação de mercado de 40% em Liverpool.Contrário ao que os pesquisadores normalmente argumentam, a principal causa do surgimento do Brasil como um importante exportador de algodão foi a qualidade superior da sua fibra para os novos têxteis produzidos na Grã-Bretanha.Não obstante o sucesso inicial, as exportações brasileiras de algodão estagnaram após 1819. As interpretações anteriores argumentaram que o declínio das plantações brasileiras de algodão foi resultado da escassez de mão-de-obra e dos altos custos de transporte terrestre.Essa dissertação, no entanto, fornece evidências de que as regiões de algodão no Brasil tinham, de fato, uma alta densidade de escravos. Do mesmo modo, os custos de transporte representaram uma pequena fração dos preços de mercado do algodão.Para os plantadores de algodão, o maior fardo econômico foi a política fiscal implementada pelo governo central após 1808. A necessidade de aumentar as receitas levou o governo central a tributar as commodities mais importantes na época.Os impostos de exportação representaram o maior custo de produção de algodão no Brasil até a década de 1840. Como os governos regionais não podiam tributar as importações, ficaram com poucos recursos para investir em projetos de infraestrutura que poderiam compensar os crescentes custos de tributação.No final, os custos de produção mais elevados reduziram a capacidade do Brasil de enfrentar o desafio de novos concorrentes no mercado internacional do algodão durante o século XIX. (AU)

Processo FAPESP: 14/04151-6 - Algodão e o comércio internacional do Brasil durante a Revolução Industrial
Beneficiário:Thales Augusto Zamberlan Pereira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado