Busca avançada
Ano de início
Entree


Redes metalorgânicas análogas ao MIL-101 para a liberação controlada de fármacos

Autor(es):
Irlene Maria Pereira e Silva
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Química
Data de defesa:
Membros da banca:
Wilton Rogério Lustri; Alexandre Cuin; Diego Pereira dos Santos; Camilla Abbehausen
Orientador: André Luiz Barboza Formiga
Resumo

REDES METALORGÂNICAS ANÁLOGAS AO MIL-101 PARA A LIBERAÇÃO CONTROLADA DE FÁRMACOS. O MIL-101(Cr) e seus análogos estruturais contendo 10 e 20% de grupo amino foram utilizados na incorporação e liberação in vitro dos fármacos ibuprofeno, nimesulida e levofloxacina. A funcionalização com NH2 favorece as interações entre as matrizes com os grupos funcionais dos fármacos estudados, bem como melhora o controle da liberação. Além da funcionalização, a área superficial e o volume de poro também influenciam na quantidade de fármaco incorporado e sua liberação. A levofloxacina incorporada nas matrizes apresentou atividade antibacteriana para as cepas S. aureus e P. aeruginosa por um período superior ao da levofloxacina livre. Verificou-se, também, que os dados de liberação tiveram bom ajuste aos modelos de Higuchi e/ou Peppas, sugerindo que a liberação é regida por processos de difusão e intumescimento. Os ensaios de estabilidade das matrizes investigadas nos fluidos gástrico simulado (SGF, pH = 1,2), intestinal simulado (SIF, pH = 7,4) e corpóreo simulado (SBF, pH = 7,4), demonstraram que a quantidade de íons de crômio(III) liberada é mais acentuada no primeiro dia, sendo que o MIL-101(Cr) e o 10%NH2 liberam menores quantidades de íons. Essas matrizes são mais estáveis que o 20%NH2. Além disso, foi sintetizado um complexo de prata(I) com ibuprofeno que apresentou boa atividade para cepas bacterianas Gram-positivas (S. aureus ATCC 25923, S. aureus BEC9393 e S. aureus Rib1) e Gram-negativas (E. coli ATCC 25922, P. aeruginosa ATCC 27853 e P. aeruginosa 31NM). Infelizmente, ele não pode ser usado nos estudos de incorporação devido à baixa solubilidade. (AU)

Processo FAPESP: 12/17043-1 - Redes metalo-orgânicas para liberação controlada de fármacos
Beneficiário:Irlene Maria Pereira e Silva
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado