Busca avançada
Ano de início
Entree


Epilepsia Benigna da Infância com Paroxismos Centrotemporais - delineamento do perfil executivo

Texto completo
Autor(es):
Ellen Marise Lima
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina
Data de defesa:
Membros da banca:
Kette Dualibi Ramos Valente; Marilisa Mantovanni Guerreiro; Umbertina Conti Reed; Sandra Scivoletto
Orientador: Kette Dualibi Ramos Valente
Resumo

A Epilepsia Benigna da Infância com Paroxismos Centrotemporais (EBICT) é uma epilepsia focal e de etiologia indeterminada. O termo benigno é, atualmente, questionado pelo reconhecimento de que, apesar da remissão completa das crises epilépticas em 80% dos casos e da farmacorresponsividade nessa síndrome, há comorbidades psiquiátricas que podem comprometer a qualidade de vida e o desempenho escolar. A comorbidade psiquiátrica mais frequente nessa epilepsia é o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Uma das mais importantes funções cognitivas, as Funções Executivas (FE), nos seus domínios frios (flexibilidade mental, rastreio mental de informações, capacidade de abstração e atenção) e quentes (tomada de decisão, cognição social e controle de impulsividade), podem estar alteradas, tanto na EBICT quanto no TDAH. Apesar da alta prevalência dessa síndrome, o TDAH e as FE, principalmente as quentes, são pouco investigadas e descritas nessa população. Além disso, com os poucos estudos previamente realizados, não é possível descrever se os déficits executivos encontrados estão relacionados às variáveis clínicas da epilepsia, à atividade epileptiforme em si, à comorbidade psiquiátrica ou à soma destes fatores. Dessa forma, o objetivo geral deste estudo foi analisar o perfil de desempenho executivo em crianças e adolescentes com EBICT. Este foi um estudo de coorte transversal, controlado (duplo pareamento) e não randomizado. O desempenho executivo das crianças e adolescentes, de ambos os sexos, com idades de 6 a 16 anos, foi avaliado através da análise comparativa de três grupos (total de 63 sujeitos): Grupo I (23 pacientes com EBICT); Grupo II (20 pacientes com TDAH e sem epilepsia) e Grupo III (20 crianças e adolescentes saudáveis sem epilepsia, sem TDAH e sem nenhum diagnóstico neurológico ou psiquiátrico). A avaliação neuropsicológica foi composta por uma bateria abrangente com 22 instrumentos, para investigação detalhada das funções executivas em seus múltiplos domínios (atenção, FE frias e quentes), potencial intelectual e desempenho acadêmico. Nossos resultados demonstraram que os pacientes com EBICT apresentam pior desempenho em domínios do funcionamento executivo frio e quente em comparação aos controles. A presença do TDAH esteve associada a um maior prejuízo no funcionamento executivo dos pacientes com EBICT. Além disso, o perfil executivo e atencional desses pacientes demonstrou-se distinto daquele apresentado pelas crianças com TDAH e sem epilepsia. Houve correlação entre as variáveis clínicas da epilepsia (especialmente tempo de controle de crises, número de fármacos antiepilépticos, presença e lateralidade da atividade epileptiforme) e um pior funcionamento executivo. Dessa forma, salienta-se a necessidade de maior atenção às funções executivas quentes e à presença da coexistência do TDAH na EBICT, ambas negligenciadas nos estudos com essa síndrome epiléptica da infância. Assim, pode-se propiciar um melhor delineamento das dificuldades cognitivas, do prognóstico e da intervenção adequados e eficazes para crianças e adolescentes com EBICT (AU)

Processo FAPESP: 15/02796-2 - Epilepsia Benigna da Infância com Paroxismos Centrotemporais - Delineamento do Perfil Executivo
Beneficiário:Ellen Marise Lima
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado