Busca avançada
Ano de início
Entree


Contribuição da sinalização dependente de beta-arrestinas, via receptor de angiotensina II do tipo 1, na hipertrofia cardiomiocítica induzida por T3.

Texto completo
Autor(es):
Caroline Antunes Lino
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Ciências Biomédicas
Data de defesa:
Membros da banca:
Maria Luiza Morais Barreto de Chaves; Eliana Hiromi Akamine; Claudio Miguel da Costa Neto; Claudimara Ferini Pacicco Lotfi; Francisco de Assis Rocha Neves
Orientador: Maria Luiza Morais Barreto de Chaves
Resumo

Níveis elevados de hormônios tireoidianos (HTs) são comumente associados à ativação do sistema renina angiotensina local e ao desenvolvimento da hipertrofia cardíaca. O envolvimento do receptor de angiotensina II tipo 1 (AT1R) nos efeitos hipertróficos dos HTs fora descrito previamente. No entanto, os mecanismos subjacentes a essa interação ainda são desconhecidos. O AT1R pertence à família dos receptores acoplados à proteína G e, portanto, promove a transdução de sinal por mecanismos dependentes e independentes de proteína G. Recentemente, a sinalização dependente de beta-arrestinas (independente de proteína G) tem sido descrita por contribuir com a resposta hipertrófica em diferentes modelos experimentais. Assim, no presente estudo investigou-se o envolvimento da sinalização dependente de beta-arrestinas nos efeitos hipertróficos dos HTs, mediados pelo AT1R, bem como a participação de ERK½ nesse processo. Culturas primárias de cardiomiócitos foram estimuladas com T3 (triiodotironina; 15nM) para indução da hipertrofia. O tratamento dos cardiomiócitos com T3 por tempos rápidos (5-30 min) resultou na ativação transiente de ERK½, a qual foi parcialmente atenuada quando da administração de Losartan (1µM), antagonista do AT1R. A contribuição de ERK½ na hipertrofia dos cardiomiócitos foi verificada através do uso de PD98059 (20µM), inibidor de MEK½, o qual preveniu a transcrição de marcadores hipertróficos. Ensaios de imunoprecipitação revelaram o aumento da interação entre AT1R e beta-arrestina 2 sob estímulo do T3, sugerindo o recrutamento de beta-arrestina 2 e, possível, internalização do AT1R. Através de ensaios de imunofluorescência e fracionamento subcelular, foi demonstrado que o T3 estimula a translocação do AT1R, amentando sua expressão no núcleo dos cardiomiócitos. Além disso, tanto a ativação de ERK½ quanto a hipertrofia cardiomiocítica mostraram-se sensíveis à inibição da endocitose, a qual foi avaliada através de Concanavalina A (0,5µg/ml). Ensaios de silenciamento gênico por RNA de interferência foram eficientes em demonstrar o envolvimento de beta-arrestina 2 na ativação de ERK½ e na hipertrofia cardiomiocítica induzida por T3. Desta forma, os resultados evidenciam o envolvimento da sinalização dependente de beta-arrestina 2 na ativação de ERK½, através do AT1R, a qual contribui com a hipertrofia cardiomiocítica promovida pelo T3. (AU)

Processo FAPESP: 13/16142-9 - Efeito do hormônio tireoidiano na internalização do receptor de Angiotensina II do tipo i (AT1R) e ativação da sinalização Ras/Raf/MEK/ERK no estabelecimento da hipertrofia cardiomiocítica. envolvimento das beta-arrestinas
Beneficiário:Caroline Antunes Lino
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado