Busca avançada
Ano de início
Entree


Análise de aspectos genéticos do glaucoma primário de ângulo aberto juvenil

Texto completo
Autor(es):
Paulo Vinicius Svidnicki
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas
Data de defesa:
Orientador: Mônica Barbosa de Melo
Resumo

O glaucoma é uma doença neurodegenerativa de etiologia multifatorial que inclui várias afecções oculares que tem em comum o dano progressivo no nervo óptico e a perda característica da visão. O glaucoma primário de ângulo aberto (GPAA) é a maior causa de cegueira irreversível no mundo e sua forma juvenil (GPPAJ), uma forma mais precoce e grave do glaucoma. Esta doença raramente é detectada precocemente devido ao fato de ser assintomática em sua fase inicial, quando o tratamento previne perda permanente da visão. Assim, a identificação de fatores genéticos é importante para ajudar no diagnóstico precoce e estabelecer um seguimento clínico mais adequado. Mutações no gene MYOC associadas ao glaucoma são responsáveis por aproximadamente 3 a 5% dos casos de GPAA e 10 a 30% de GPAAJ. O gene CYP1B1 é comumente associado ao glaucoma congênito primário (GCP), mas também tem sido associado ao GPAA e ao GPAAJ em diversos grupos étnicos, mundialmente. O MYOC e o CYP1B1 podem agir por meio de uma via bioquímica onde o CYP1B1 age como modulador do MYOC. Neste estudo, foram avaliadas as variantes na região codificante dos genes MYOC e CYP1B1 em 100 indivíduos com GPAAJ e 200 controles por meio de sequenciamento de Sanger. Além disso, também avaliou-se uma família portadora de GPAAJ por meio de sequenciamento de exoma. Nossos resultados mostram que mutações no gene MYOC têm uma grande importância nesta coorte, correspondendo a 34% dos casos. Mutações no gene CYP1B1, por outro lado, representam apenas 2% dos casos desta coorte, e seus polimorfismos não foram associados com o GPAAJ ou com suas variáveis clínicas. Neste estudo, também foi detectada uma mutação no gene APEX1 segregando com a doença na família analisada. O gene APEX1 nunca foi comprovadamente associado ao GPAAJ, portanto, foram desenvolvidos estudos funcionais com zebrafish para avaliar o possível papel deste gene na etiologia do glaucoma. Morfantes para o gene APEX1 apresentaram um fenótipo interessante, com uma membrana ao redor dos olhos, tamanho do olho reduzido, e desorganização das camadas da retina. Estes dados indicam que o APEX1 pode ser um gene causador do glaucoma ainda não identificado (AU)

Processo FAPESP: 13/17958-2 - Avaliação de aspectos genéticos do glaucoma primário de ângulo aberto por meio do sequenciamento de exoma total
Beneficiário:Paulo Vinicius Svidnicki
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado