Busca avançada
Ano de início
Entree


Antimicrobial activity of plants from Brazilian Cerrado against Streptococcus mutans

Texto completo
Autor(es):
Luciana Aranha Berto
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Piracicaba, SP.
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Odontologia de Piracicaba
Data de defesa:
Membros da banca:
Pedro Luiz Rosalen; Yoko Oshima Franco; Cristiane de Cássia Bergamaschi; Gilson Cesar Nobre Franco; Karina Cogo Müller
Orientador: Francisco Carlos Groppo; Pedro Luiz Rosalen
Resumo

Apesar do constante desenvolvimento do conhecimento, prevenção e tratamento da cárie dental, esta doença continua tendo alta prevalência no Brasil e no mundo. Por este motivo, tem crescido o interesse por novos agentes farmacológicos que possam auxiliar no controle do biofilme dental, atuando contra o principal microrganismo associado ao desenvolvimento da cárie, o Streptococcus mutans. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade antimicrobiana do extrato de quatro plantas do cerrado brasileiro (e suas frações) contra S. mutans UA159. Extratos hidroalcoólicos de Lantana camara (Lc), Copaifera langsdorffii (Cl), Psidium guajava (Pg) e Cochlospermum regium (Cr), foram submetidos a testes de avaliação da atividade antimicrobiana para determinação das concentrações inibitória (CIM) e bactericida (CBM) mínima, inibição da aderência e queda de pH em solução. O extrato bruto das quatro plantas apresentaram potencial antimicrobiano e foram fracionados por gradiente de polaridade, sendo obtidas, para cada extrato, as frações hexânica (FHx), clorofórmica (FCh), acetato de etila (FAc) e aquosa (FAq). Estas foram submetidas aos experimentos já citados para determinação da(s) fração(ões) ativa(s) de cada extrato, selecionadas com base nos resultados dos testes de atividade antimicrobiana e no rendimento. Foram selecionadas, para a etapa subsequente de avaliação em biofilme, 6 frações ativas: Lc-FHx e Lc-FCl, ambas com CIM = 15,6 µg/ml, e rendimento 9,5 e 17,5%, respectivamente; Cl-FHx, que apresentou CIM = 15,6 µg/ml, atividade inibitória sobre a queda de pH em solução e rendimento igual a 21%; Pg-FHx, com CIM = 125 µg/ml, 93,4% de inibição da aderência na concentração de 62,5 µg/ml e rendimento igual a 2,0%; Cr-FHx, com CIM = 125 µg/ml, apresentou atividade inibitória sobre queda de pH do meio e rendimento igual a 1,0% e Cr-FAq, que obteve CIM elevado, entretanto, inibiu 86,7% de aderência bacteriana, na concentração de 62,5 µg/ml, sendo o rendimento desta fração 32%. As frações selecionadas foram submetidas a avaliações complementares, como: viabilidade bacteriana (time kill), inibição de formação e queda de pH em biofilme de S. mutans, utilizando discos de hidroxiapatita. Nos testes em biofilme, destacaram-se três frações: Lc-FHx, que em concentração 20xCIM, proporcionou redução na viabilidade do microrganismo e diminuição da formação do biofilme tratado diariamente por 5 dias; Lc-FCh, que em concentração equivalente a 20xCIM, reduziu a formação de biofilme e Cl-FHx, que além de reduzir a formação de biofilme na concentração de 20xCIM, interferiu na viabilidade do microrganismo, nas duas concentrações testadas (10xCIM e 20xCIM). A composição química das frações ativas em biofilme foi analisada por CG-EM. As demais frações testadas nesta etapa não diferiram do controle negativo (veículo) nos testes aplicados. Nenhuma das frações avaliadas afetou a redução de pH do meio pelo biofilme. Em conclusão, as frações com polaridades baixa ou intermediária das espécies Lantana camara e Copaifera langsdorffii mostraram ter potencial para gerar novos compostos anti-cárie de origem natural, tendo apresentado atividade antimicrobiana sobre o biofilme formado por S. mutans (AU)

Processo FAPESP: 10/01868-6 - Atividade antimicrobiana de extratos de plantas do cerrado brasileiro contra Streptococcus mutans.
Beneficiário:Luciana Aranha Berto
Modalidade de apoio: Bolsas no Brasil - Doutorado