Busca avançada
Ano de início
Entree


Ultraestrutura do aparelho reprodutor feminino e mecanismos de transmissão transovariana de endossimbiontes de Diaphorina citri Kuwayama, 1908 (Hemiptera: Psyllidae)

Texto completo
Autor(es):
Fábio Cleisto Alda Dossi
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Piracicaba.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz
Data de defesa:
Membros da banca:
Fernando Luis Cônsoli; Elliot Watanabe Kitajima; Daniela Carvalho dos Santos
Orientador: Fernando Luis Cônsoli
Resumo

Diaphorina citri Kuwayama, 1908 (Hemiptera: Psyllidae) tornou-se um psilídeo de grande importância para a citricultura paulista após a constatação da bactéria Candidatus Liberibacter sp., causadora do Huanglongbing (greening). Sabe-se que esse inseto abriga microrganismos endossimbiontes, os quais desempenham papel fundamental em sua ecologia nutricional, sendo transmitidos verticalmente à progênie. Dessa forma, propomos caracterizar a morfologia do aparelho reprodutor feminino durante o seu desenvolvimento para embasar a identificação do processo de migração dos simbiontes do bacterioma aos tecidos reprodutivos. D. citri possui ovário do tipo telotrófico, com ovaríolos organizados em bouquet e características gerais semelhantes às observadas para outros Sternorrhyncha. Os trofócitos parecem ser desprovidos de delimitação por membrana no ovaríolo desenvolvido. Um único oócito se desenvolve por ciclo no vitelário, o qual mantém-se em contato com a câmara trófica por um prolongamento citoplasmático, denominado cordão trófico. As informações morfo-estruturais do aparelho reprodutor de D. citri obtidas indicam similaridades importantes a de outros membros de Sternorryncha. Nesse contexto, a migração de simbiontes do bacterioma para os oócitos em maturação de D. citri, ocorre de modo semelhante ao descrito para aleirodídeos, caracterizandose pela migração de bacteriócito intacto. Este último, atravessa o epitélio de revestimento do oócito, formado por células foliculares, e invade o oócito, liberando as bactérias nele contidas. Entretanto, os simbiontes associados ao sincício do bacterioma, são liberados na hemocele através de uma pequena abertura formada no epitélio de revestimento dessa estrutura, invadindo o oócito por um mecanismo distinto. Os simbiontes contidos no oócito, formam um agrupamento de aspecto arredondado (= symbiont ball) na região posterior do oócito, próximo ao pedicelo. (AU)

Processo FAPESP: 06/59300-0 - Ultraestrutura do aprelho reprodutor feminino e mecanismos de transmissão transovariana ADE endossimbiontes de Diaphorina citri Kuwayama, 1909 (Hemiptera: Psyllidae)
Beneficiário:Fábio Cleisto Alda Dossi
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado