Busca avançada
Ano de início
Entree


O Chile na obra de Chris Marker: um olhar para a Unidade Popular desde a França

Texto completo
Autor(es):
Carolina Amaral de Aguiar
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Data de defesa:
Membros da banca:
Marcos Francisco Napolitano de Eugênio; Maria Helena Rolim Capelato; Olivier Compagnon; Henri Pierre Arraes de Alencar Gervaiseau; Rodrigo Patto Sá Motta
Orientador: Marcos Francisco Napolitano de Eugênio
Resumo

Este trabalho analisa filmes do cineasta Chris Marker que indagaram sobre a Unidade Popular do Chile nos anos 1970. Entre as produções abordadas, estão duas que foram remontadas a partir de documentários chilenos feitos durante o governo de Salvador Allende: La première année (1973) e On vous parle du Chili: ce que disait Allende (1973). Além disso, mais três filmes desse realizador se dedicaram ao tema: La Spirale (1976), Lambassade (1974) e O fundo do ar é vermelho (1977). Por meio do estudo dessa filmografia, identificaram-se quais foram as estratégias narrativas utilizadas e qual foi o discurso político sobre a chamada experiência chilena que essas estratégias elaboraram. A reflexão sobre o corpus permitiu verificar que o interesse por esse processo, visto desde a França, emergiu do espaço deixado pelas frequentes desilusões diante de uma referência política anterior, igualmente vinda da América Latina e que havia motivado os debates da esquerda francesa na década de 1960: a Revolução Cubana. Assim, optou-se por incluir também na pesquisa produções markerianas que nasceram do contato entre esse realizador e o Instituto Cubano del Arte e Industria Cinematográficos (ICAIC): Cuba si (1961), La bataille des dix millions (1970), On vous parle du Brésil: tortures (1969) e On vous parle du Brésil: Carlos Marighela (1970). A análise dos filmes elencados revela que, durante os anos da UP no poder, houve uma vontade de aproximação entre Chile e França que valorizava os caminhos empregados pela via chilena ao socialismo, apontando-os como possibilidades para uma Nova Esquerda europeia. Porém, com o golpe de Estado de 1973, essa postura passou por uma revisão, e a experiência chilena serviu à elaboração de leituras que apontassem um legado e lições que poderiam ser retirados da queda da Unidade Popular. Nesse sentido, as produções de Marker fazem uma denúncia das ações da direita que derrubaram Allende, bem como constroem uma visão autocrítica que indica os erros cometidos pela própria esquerda que possibilitaram essa derrota. Essa tentativa de atribuir um legado e lições buscava responder sobretudo aos anseios de uma esquerda francesa que dispunha de um programa comum de governo fortemente inspirado naquele da UP chilena, mas que deveria ser submetido a uma revisão após o fracasso de sua referência latinoamericana. Sob essa visão, esta tese propõe um estudo voltado à circulação de ideias culturais e políticas entre América Latina e França, que delega ao continente um papel central nessa relação durante os anos 1960 e 1970 e a Chris Marker a função de um mediador cinematográfico. (AU)

Processo FAPESP: 09/14009-4 - Representações cinematográficas do golpe militar no Chile: análise do coletivo 'A espiral' (1975)
Beneficiário:Carolina Amaral de Aguiar
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado