Busca avançada
Ano de início
Entree


Efeitos das condições metabólicas de vacas leiteiras durante o período de transição e início de lactação sobre a saúde e fertilidade no inverno e no verão

Texto completo
Autor(es):
Milton Maturana Filho
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Pirassununga.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Data de defesa:
Membros da banca:
Ed Hoffmann Madureira; Mario Binelli; Eduardo Harry Birgel Junior; Eneiva Carla Carvalho Celeghini; Manoel Francisco de Sá Filho
Orientador: Ed Hoffmann Madureira
Resumo

O presente estudo teve como objetivo verificar as associações entre variáveis plasmáticas ligadas ao metabolismo energético, com outras ligadas ao metabolismo protéico, hepático e renal, em vacas leiteiras durante o período de transição, como também durante o início de lactação no inverno e no verão, de modo que algumas destas variáveis possa ser utilizadas como preditoras da saúde e da fertilidade em vacas leiteiras nos três primeiros serviços. O experimento foi realizado em uma granja leiteira Comercial (Fazenda Colorado, município de Araras SP) com 245 vacas leiteiras, multíparas da raça Holandesa. Os animais foram distribuídos, de forma retrospectiva, de acordo com a produção média durante o pico de lactação (45,9 Kg/ leite/ dia). Posteriormente, as vacas foram alocadas dentro dos grupos experimentais (Alta Produção (AP), &#8805; 45,9 até 65 kg/leite no Pico de lactação; média Produção (MP), entre 30 e 45,8 kg/leite no Pico de lactação). As vacas eram alocadas para o galpão a partir de 35 dias da data de parto prevista, para adaptação prévia de 15 dias antes do período de avaliação e também na eventualidade de algum parto ser antecipado. As dietas foram formuladas de acordo com o NRC (2001). As coletas de amostra de sangue e as avaliações foram realizadas durante o período de transição e durante os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo. As variações nos teores de globulinas (GLOB) durante o período de transição foram mais evidentes e significativas nas vacas que desenvolveram metrite, como também nas vacas que não ficaram prenhez após três serviços. Aumentos das concentrações da enzima creatina quinase (CK), foram observados para todos os grupos experimentais durante o pico de lactação. Ainda em relação as variações das enzimas medidas, as vacas do grupo de alta produção de ambos os períodos (API e APV), tiveram valores de Superóxido dismutase (SOD) mais elevados do que as vacas de média produção (MPI e MPV), sendo essas mudanças significativas a para as vacas do grupo AP a partir de 7 dias antes do parto, se mantendo mais elevada até os 104 dias de lactação. Foram observados maiores teores de glicose entre as vacas prenhes no primeiro serviço (menores teores) e aquelas vazias depois da terceira inseminação. As diferenças no perfil lipídico, foram observadas tanto no modelo animal de grupo de produção, como também no modelo animal baseado na prenhez para a maioria das variáveis avaliadas, destacando principalmente as mudanças nos teores de AGNE. Para esta variável, houve de grupo de produção (P <0,001), dia (P <0,001) e interações entre dia x estação (P<0,001) e entre grupo x dia x estação do ano (P=0,009). Nas analises baseadas no modelo de prenhez, houve somente efeito de dias (P<0,001) para as variações das concentrações de AGNE. As vacas APV tiveram valores mais elevados, bem como um padrão de variação de uréia diferente dos demais grupos até os 100 dias em lactação (DEL). De acordo com o modelo de prenhez, as vacas vazias do período de verão tiveram valores mais elevado de uréia, enquanto que no pico de lactação foram as do inverno. Não foi observada diferença na incidência de doenças entre as vacas de alta ou média produção leiteira, ou entre os períodos (P>0,05). Houve somente tendência para a incidência de retenção de placenta (P=0,09) e de metrite (P=0,07). Houve tendência para a antecipação do parto (P=0,1), peso da cria (P=0,07) e metrite no período de verão (P=0,08). Baseado no modelo de prenhez, foram observadas, diferenças significativas para as variáveis: antecipação do parto (P=0,03), auxilio parto (P=0,05), retenção de placenta (P=0,009), metrite (P=0,04) e tendências de efeito nas variáveis peso da cria (P=0,07), deslocamento de abomaso (P=0,06), cetose (P=0,08) e endometrite (P=0,08). Baixas concentrações de glicose (por volta de 45 mg/dL), aliadas a altas concentrações de AGNE (>0,4 mmol/L) no pré-parto, foram características das vacas que tiveram distocia, retenção de placenta e metrite, além disso, essas vacas tiveram uma pior taxa de prenhez no primeiro serviço. Os teores de AGNE (0,4 mmol/L) e BHBA (0,7 mmol/L) foram altamente correlacionados com a ocorrência de doenças uterinas. Foi verificado tanto nas vacas com cetose, como nas vacas com deslocamento de abomaso altos teores de AST (por volta de 128 U/L), no pré parto. No presente estudo, as variáveis: glicose, AGNE, são importantes preditoras da fertilidade, podendo ser mensuradas no D21 pós parto ou no dia da inseminação artificial (P<0,05). De acordo com os resultados obtidos, pode se concluir que a produção leiteira não foi um fator de risco para as vacas permanecerem vazias após os três primeiros serviços. (AU)

Processo FAPESP: 10/06827-6 - Efeitos das condições metabólicas e hormonais de vacas leiteiras durante o período de transição e início de lactação sobre o desempenho produtivo e reprodutivo
Beneficiário:Milton Maturana Filho
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado