Busca avançada
Ano de início
Entree


Quitosana associada a fonte de lipídeos na alimentação de vacas em lactação

Texto completo
Autor(es):
Tiago Antônio Del Valle
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Pirassununga.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ/SBD)
Data de defesa:
Membros da banca:
Francisco Palma Rennó; Ronaldo Braga Reis; Marcos Veiga dos Santos
Orientador: Francisco Palma Rennó
Resumo

Objetivou-se avaliar os efeitos da inclusão de quitosana e óleo de soja nas dietas de vacas leiteiras no terço médio da lactação, sobre o consumo e digestibilidade aparente total da matéria seca e nutrientes, fermentação e síntese de proteína microbiana ruminal, produção e composição do leite, concentrações de parâmetros sanguíneos e os balanços de energia e de nitrogênio. Foram utilizadas 24 vacas da raça Holandesa, sendo quatro canuladas no rúmen e 20 não canuladas, com 581,2 ± 73,6 kg de PC, DEL médio de 174,7 ± 53,1 e produção de leite inicial de 36,14 ± 5,32 kg de leite por dia, que foram distribuídas em seis Quadrados Latinos balanceados e contemporâneos, para receber uma das quatro dietas experimentais, obtidas pela combinação dos fatores quitosana (aproximadamente 150 mg/kg de peso corporal) e óleo de soja (3,3% da MS da dieta): C controle; Q quitosana; O óleo de soja e QO quitosana associada ao óleo de soja. Foi observada interação entre os fatores avaliados para o consumo de MS, MO, PB, FDN, CNF e NDT. O consumo foi reduzido pela inclusão de quitosana nas dietas sem óleo, enquanto que, na presença deste, a quitosana não influenciou o consumo. A inclusão de óleo de soja reduziu o consumo de MS, MO, PB, FDN, CNF e NDT e aumentou o consumo de EE, independentemente da inclusão de quitosana na dieta. A inclusão de quitosana aumentou os coeficientes de digestibilidade (CD) da MS, MO e PB e não alterou o CDFDN. O CDEE foi alterado positivamente pela inclusão de óleo de soja na dieta. Tanto a inclusão de quitosana quanto a de óleo de soja aumentaram o colesterol total sérico. Na ureia plasmática foi observada interação, onde a concentração maior foi observada na dieta Q em relação a C, não diferindo entre as dietas contendo óleo de soja (O e QO). As concentrações de AST foram influenciadas positivamente pela suplementação de óleo de soja nas dietas. Observou-se interação para eficiência de utilização da energia e do nitrogênio, onde observou-se aumento pela inclusão quitosana nas dietas sem óleo de soja e reduziram quando da inclusão em dietas contendo óleo. As inclusões de quitosana e de óleo de soja não influenciaram a síntese de proteína microbiana ruminal. A inclusão de óleo de soja aumentou a concentração de propionato e reduziu acetato e consequentemente a relação C2:C3, no rúmen. A produção de leite não foi influenciada pela inclusão de quitosana na dietas sem óleo de soja e foi reduzida quando esta foi realizada em dietas contendo óleo de soja. A eficiência de conversão da MS consumida em leite foi reduzida nas dietas contendo óleo e aumentada nas dietas sem óleo de soja, pela inclusão de quitosana. Assim, considerando principalmente o desempenho produtivo dos animais, a inclusão de quitosana nas dietas de vacas leiteiras no terço médio de lactação é viável, desde que esta não esteja associada a suplementação com fontes de lipídeos. (AU)