Busca avançada
Ano de início
Entree

Reduzindo déficits da marcha com modelagem de estimulação elétrica funcional

Processo: 18/04964-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de agosto de 2018 - 31 de janeiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Convênio/Acordo: West Virginia University
Pesquisador responsável:Ana Maria Forti Barela
Beneficiário:Ana Maria Forti Barela
Pesq. responsável no exterior: Valeriya Gritsenko
Instituição no exterior: West Virginia University (WVU), Estados Unidos
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:José Angelo Barela ; Sergiy Yakovenko
Assunto(s):Eletromiografia  Controle motor  Análise do movimento humano 

Resumo

O objetivo principal deste projeto é desenvolver um paradigma inovador utilizando estimulação elétrica funcional (FES) conduzido por um modelo de membro inferior humano. Utilizaremos o modelo para avaliar as mudanças nas forças musculares ativas que levam à limitação da flexão de joelho no membro parético durante o andar de indivíduos pós acidente vascular encefálico (AVE). No primeiro ano do projeto, avaliaremos o andar de indivíduos pós-AVE e de indivíduos sem acometimento no aparelho locomotor ("sadios") com e sem restrição de flexão de joelho, ambos no chão e em esteira nas universidades Cruzeiro do Sul e West Virgínia, respectivamente. Também desenvolveremos um modelo dinâmico musculoesquelético (MSD) dos membros inferiores e computaremos as forças musculares dos dados adquiridos em ambas universidades. No segundo ano do projeto, desenvolveremos estratégias para intervenção da marcha com FES. Os pesquisadores da Universidade Cruzeiro do Sul avaliarão indivíduos pós-AVE andando no chão com FES, e os pesquisadores da Universidade de West Virgínia avaliarão o andar em uma esteira com e sem FES para a validação do modelo MSD. Esperamos demonstrar como um déficit de redução da flexão do joelho pós-AVE resulta no padrão anormal de ativação muscular e co-contração, que levam a uma redução do torque articular ao redor do joelho e a um aumento da rigidez articular. Além disso, esperamos demonstrar que a alteração da ativação de diferentes grupos musculares em diferentes momentos durante o ciclo da marcha no modelo MSD influenciará o ângulo do joelho de modo previsível. Isso nos indicará o paradigma da FES mais apropriado que melhorará a flexão do joelho do membro parético e testará o potencial da modelagem da FES para reduzir os déficits da marcha após um AVE. (AU)