Busca avançada
Ano de início
Entree

Produção de lotes piloto em BPL e estudos não-clínicos de uma nova asparaginase conjugada com PEG para o tratamento de neoplasias

Processo: 23/13176-1
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE
Vigência: 01 de fevereiro de 2024 - 31 de janeiro de 2026
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia
Pesquisador responsável:Renata Bannitz Fernandes
Beneficiário:Renata Bannitz Fernandes
Empresa Sede:Biobreyer Pesquisa e Desenvolvimento Científico Ltda
CNAE: Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais
Atividades profissionais, científicas e técnicas não especificadas anteriormente
Município: Santos
Pesquisadores associados:Adalberto Pessoa Junior ; Carlota de Oliveira Rangel Yagui ; Eduardo Magalhães Rego ; Gisele Monteiro ; Marcos Antonio de Oliveira
Bolsa(s) vinculada(s):24/02493-9 - Produção de lotes em ambiente laboratorial e ambiente relevante (BPL) da Imunaspar, biofármaco utilizado no tratamento de neoplasias, para testes de formulação, estabilidade e estudos não-clínicos., BP.TT
24/01762-6 - Produção de lotes piloto em BPL e estudos não-clínicos de uma nova asparaginase conjugada com PEG para o tratamento de neoplasias, BP.PIPE
Assunto(s):Biofármacos  Bioprocessos  Doenças raras  Leucemia-linfoma linfoblástico de células precursoras  Asparaginase 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:asparaginase | biofármacos | Bioprocesso | doenças raras | Leucemia linfóide aguda (LLA) | Testes não-clínicos | Desenvolvimento de Biofármacos/Bioprocessos

Resumo

O mercado farmacêutico mundial movimenta anualmente aproximadamente 1 trilhão de dólares, com estimativa de atingir US$1,5 trilhão em 2023. Dentre os produtos farmacêuticos, grande destaque é dado aos produzidos por rotas biotecnológicas, representados principalmente por medicamentos utilizados no tratamento de câncer, Alzheimer, doenças cardiovasculares, entre outras. No Brasil, existe grande carência na produção de biofármacos, e segundo o Índex da Associação Brasileira da Indústria Farmoquímica e de Insumos Farmacêuticos (Abiquifi), o ministério da saúde gastou R$3 bilhões em 2016 com este tipo de medicamento. Os biofármacos representam apenas 10% da quantidade de medicamentos adquiridos pelo governo federal, mas consomem 60% da verba destinada à compra de medicamentos. Dentre os biofármacos, grande destaque é dado à enzima asparaginase (ASNase), amplamente utilizada no tratamento de cânceres do sistema linfático, em especial Leucemia Linfoide Aguda (LLA), desde a década de 1980. A administração de ASNase pode provocar diversos efeitos adversos nos pacientes, incluindo efeitos tóxicos e respostas imunológicas que podem levar a choques anafiláticos. Nestes casos é possível continuar o tratamento com outras formulações de asparaginase, porém ainda ocorrem respostas adversas em muitos pacientes e a maioria dos países não disponibiliza todas as formulações para tratamentos pelo alto custo e falta de registro nas agências regulatórias. Portanto, a busca de novas fontes de ASNase e novas variantes das enzimas já utilizadas como medicamento é foco de inúmeras pesquisas em todo o mundo. Além dos problemas apresentados, crises de abastecimento com estes medicamentos têm sido frequentes em vários países, como é o caso do Brasil. Em 2017 houve uma grande crise no país, comprometendo o tratamento de centenas de pacientes (pediátricos e adultos), primeiro devido ao seu desabastecimento, seguido pela baixa qualidade do medicamento importado em caráter de urgência. Desta forma, nosso intuito principal é o desenvolvimento da tecnologia nacional de produção de asparaginase e a independência do Brasil para produção deste biofármaco. Para tanto, realizamos a captação de recursos públicos da FAPESP e CNPq ao longo dos últimos 5 anos. Com os recursos da FAPESP (PIPE Fase 1 #2017/08591-9 e PIPE Fase 2 #2019/12401-6, já finalizados), desenvolvemos melhorias na molécula através de peguilação sítio específico (pedido de patente depositado sob número BR 10 2023 006797 2), melhorias e escalonamento de processo, visando a produção industrial do biofármaco, e realização de estudos não-clínicos exploratórios de maneira comparativa ao medicamento referência. O recurso do CNPq está sendo utilizado exclusivamente para pagamento de mão de obra especializada, através do programa RHAE (Processo 424164/2021-3, em andamento). O sucesso no desenvolvimento destas etapas nos leva ao próximo passo do desenvolvimento da tecnologia, em que serão realizadas produções de lotes piloto em condição de BPL, realização dos estudos não-clínicos completos, teste de estabilidade do medicamento e planejamento dos estudos clínicos. Ao final do projeto, esperamos ter estabelecido todas as condições de produção 100% nacional da asparaginase inovadora, com validações de todos os testes não-clínicos junto à ANVISA e o delineamento completo do estudo clínico. Por fim, vamos prospectar e negociar com investidores e governo buscando investimento para as etapas dos estudos clínicos e etapas regulatórias. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)