Busca avançada
Ano de início
Entree

Sistema complemento em camundongos dBA e BALB/c infectados com Leptospira: importância do componente C5 na resolução da infecção in vivo

Processo: 11/02870-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2011
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunoquímica
Pesquisador responsável:Lourdes Isaac
Beneficiário:Iris Arantes de Castro
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/50043-0 - Sistema complemento e patogenicidade de leptospiras: mecanismos de ativação e escape identificação de ligantes bacterianos, caracterização de proteases e estabelecimento de modelo murino in vivo, AP.TEM
Assunto(s):Leptospirose   Leptospira

Resumo

Camundongos são considerados animais resistentes à infecção por leptospiras patogênicas enquanto hamsters e cobaias têm sido os animais de escolha para se estudar a patogenicidade desta infecção. Poucos estudos têm sido feitos em camundongos para se entender os mecanismos imunes efetores contra este tipo de bactéria. Já em 1976, ADLER & FAINE mostraram que esta resistência é dependente da resposta imune, uma vez que camundongos tornavam-se suscetíveis à L. interrogans sorovar Pomona se tratados com ciclofosfamida, conhecida droga imunossupressora. Nessa mesma linha, NALLY et al. (2005) mostraram que camundongos C3H/SCID, portadores de imunodeficiência grave combinada, morrem após inoculação de L. interrogans sorovar Copenhageni. O mesmo grupo mostrou também que a resposta imune é dependente do receptor tipo Toll-4, uma vez que animais C3H/HeJ são também muito suscetíveis à infecção pela L. interrogans sorovar Copenhageni (NALLY et al., 2005) e pela L. interrogans sorovar Icterohaemorrhagiae (VIRIYAKOSOL et al., 2006). ATHANAZIO et al. (2008) mostraram que camundongos C57Black 6 nocautes (KO) para TNF-alfa ou IFN-gama desenvolvem nefrites em maior intensidade e número que os correspondentes C57/Black 6 selvagens. Por outro lado, IL-4 não parece ser importante para proteger o animal desta patologia, uma vez que Balb/c IL-4 KO assim como os selvagens não desenvolveram nefrite após a inoculação de L. interrogans sorovar Copenhageni. Considerando-se que o sistema complemento é fundamental para a eliminação deste patógeno, investigaremos se animais C5 deficientes seriam mais suscetíveis à infecção pela Leptospira interrogans sorovar Pomona isolado Fromm. Inicialmente, empregaremos camundongos C5 deficientes e C5 suficientes para este estudo de infecção in vivo. Não há ainda na literatura qualquer estudo que tenha abordado a importância do sistema complemento para a infecção in vivo de camundongos por Leptospira. Caso a nossa hipótese se confirme, poderíamos com isso propor um novo modelo experimental in vivo para o estudo desta doença e também para melhor compreender qual(is) mecanismo(s) dependente(s) de complemento são importantes para a eliminação deste patógeno.Considerando o volume de trabalho a ser desenvolvido, contaremos com dois alunos de graduação para realizar os experimentos propostos, ou seja, um aluno avaliará o modelo de infecção por Leptospira empregando DBA (C5 deficiente) e Balb/c (C5 suficiente) e o outro aluno empregará semelhante abordagem em linhagens distintas: A/J (C5 deficiente) e C57 Black/6 (C5 suficiente). Neste pedido estamos solicitando bolsa de iniciação científica para o aluno Iris Arantes de Castro, do Curso de Ciências Biológicas (USP) que trabalhará com animais DBA e Balb/c. Observação: No pedido que segue em paralelo, solicitaremos uma bolsa de iniciação científica para a aluna Jennifer Rocha Rodrigues, do Curso de Ciências Fundamentais para a Saúde (USP), que trabalhará neste modelo murinho empregando animais A/J e C57 Black/6. (AU)