Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de modelo animal de leucemia linfóide aguda pediátrica: teste ELISA para monitorar progressão da leucemia

Processo: 11/01725-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:José Andrés Yunes
Beneficiário:Mateus Milani
Instituição-sede: Centro Integrado de Pesquisas Oncohematológicas na Infância (CIPOI). Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Leucemia linfoide   Marcador molecular   ELISA em animal   Modelos animais

Resumo

Desde o início da utilização de camundongos como modelo experimental para estudode novas drogas contra a leucemia linfóide aguda (LLA), tem-se buscado métodos adequados ao monitoramento da progressão da doença. Ao contrário de modelos animais de tumores sólidos, cujo volume é facilmente medido na superfície dos animais, a LLA infiltra órgãos inacessíveis do exterior. Resultados preliminares (Iniciação Científica, FAPESP10/08339-9) indicam que proteínas secretadas pela LLA podem servir de marcadores quantitativos da massa tumoral, facilmente aferidos por ELISA de amostras de plasma sanguíneo. Dentre 3 proteínas testadas, o ELISA de HSP90 apresentou sensibilidade superior à análise do % de células leucêmicas por citometria de fluxo, e além disso, mostrou ser um método que aparentemente não está sujeito a variações decorrentes do tratamento dos animais com quimioterapia. Neste projeto iremos confirmar os resultados em maior número de animais e para 3 diferentes LLA. Grupos de animais transplantados com LLA serão sacrificados semanalmente, analisando-se os níveis de HSP90 no plasma e urina em paralelo à medição da massa tumoral (% de células leucêmicas na medula óssea, baço, fígado e sangue). Este experimento permitirá avaliar o grau de correlação entre o ELISA de HSP90 e a massa tumoral, além de determinar a quantidade mínima de massa tumoral passível de detecção pelo ELISA. Em outro experimento, animais transplantados com LLA serão tratados com quimioterápicos, de modo a avaliar se os níveis de HSP90 refletem corretamente a massa tumoral, como esperado, ou se há desvio indesejável causado pela quimioterapia nos níveis de expressão de HSP90 pela células de LLA. Espera-se desenvolver um novo método de monitoramento da LLA nos animais, mais sensível, rápido e exato do que os atualmente existentes. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MILANI, Mateus. Desenvolvimento de modelo animal de leucemia linfóide aguda pediátrica : teste ELISA para monitorar a progressão da leucemia. 2014. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Biologia.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.