Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação de um possível circuito funcional envolvendo microRNAs, MITF, miosina-Va e moléculas de adesão com atuação na cascata de metástase do melanoma

Processo: 12/13900-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2012
Vigência (Término): 31 de agosto de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Enilza Maria Espreafico
Beneficiário:Carmen Lucia Salla Pontes
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Melanoma   Miosinas   MicroRNAs

Resumo

Progressão tumoral e metástase são processos complexos que envolvem múltiplas mudanças nas células tumorais e no seu microambiente. Aumento da capacidade migratória e resistência à morte celular são as primeiras características observadas. Várias evidências sugerem um possível papel para miosina Va na progressão tumoral e na apoptose. Dados gerados em nosso laboratório indicam que, em melanoma, miosina Va é superexpressa e o knockdown desta miosina aumenta a taxa de anoikis, diminui a capacidade de adesão a superficies sensibilizadas com fibronectina e aumenta a capacidade migratória e invasiva das células. Desempenhando um papel central no estabelecimento e progressão de tumores estão os miRNAs, que estão localizados em regiões cromossômicas frágeis suscetíveis a amplificações, deleções ou translocações durante o desenvolvimento de um tumor e capazes de regular circuitos complexos de desenvolvimento tumoral. Análises in silico apontam que mosina Va é alvo de diversos miRNAs dentre eles, com maior score,o mir-145, um miRNA supressor de tumor cuja perda de expressão está relacionada com a superexpressão de MITF, um fator de transcrição oncogênico que nós mostramos funcionar como um ativador transcripcional para o gene da MYO5A em melanócitos. Desta forma, o presente projeto tem como objetivos esclarecer a participação da miosina Va na invasão e metástase in vivo e determinar a sua associação com moléculas adesivas essenciais e miRNAs reguladores desta cascata. Alterações na atividade de uma via funcional envolvendo a miosina-Va podem influenciar o comportamento dos melanócitos e causar maior propensão à formação de metástases. (AU)