Busca avançada
Ano de início
Entree

Revisão taxonômica e análise cladística de Aegla Leach, 1820 (Crustacea, Anomura, Aeglidae) com ocorrência nas bacias hidrográficas do Alto Paraná e do Alto Uruguai

Processo: 12/16083-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2013
Vigência (Término): 30 de junho de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Taxonomia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Sérgio Luiz de Siqueira Bueno
Beneficiário:Juliana Cristina Bertacini de Moraes
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Decapoda   Filogenia   Morfologia externa animal

Resumo

Os crustáceos do gênero Aegla, endêmicos da América do Sul, são os únicos decápodes anomuros que vivem em ambientes de água doce. A descoberta de fósseis em sedimentos marinhos deixou poucas dúvidas sobre a origem do grupo. Diversos estudos taxonômicos, morfológicos e de distribuição geográfica tem sido realizados sobre os eglídeos. Entretanto, informações filogenéticas baseadas na morfologia do grupo limitam-se, basicamente, aos trabalhos sobre a posição da família Aeglidae na infraordem Anomura e a um trabalho pioneiro, no qual os autores propuseram um cladograma para sete espécies com ocorrência no Chile. A partir de uma análise cladística, com base em caracteres morfológicos, de todas as espécies de Aegla que ocorrem nas bacias hidrográficas do Alto Paraná e Alto Uruguai, pretende-se: 1. Testar o monofiletismo do clado Alto Paraná-Alto Uruguai; 2. Investigar a posição filogenética de Aegla leptochela e A. marginata (espécies do Alto Paraná, porém supostamente não pertencentes ao clado Alto Paraná-Alto Uruguai) e a posição filogenética de A. franca, A. lata, A. microphthalma e quatro espécies troglóbias em fase de descrição, todas do Alto Paraná; 3. Investigar as relações internas entre as espécies do clado Alto Paraná-Alto Uruguai; 4. Investigar as potenciais relações de grupo-irmão entre as espécies troglóbias de Aegla (espécies troglóbias como irmãs recíprocas ou irmãs de espécies de ambiente epígeo); 5. Formular hipóteses sobre a invasão dos ambientes hipógeos (evento único ou invasões múltiplas). Para isso, a morfologia externa dos adultos de eglídeos e de outros anomuros será estudada, comparativamente, visando a obtenção de caracteres morfológicos para análise filogenética. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BERTACINI MORAES, JULIANA CRISTINA; TAVARES, MARCOS; DE SIQUEIRA BUENO, SERGIO LUIZ. Taxonomic review of Aegla marginata Bond-Buckup & Buckup, 1994 (Decapoda, Anomura, Aeglidae) with description of a new species. Zootaxa, v. 4323, n. 4, p. 519-533, SEP 25 2017. Citações Web of Science: 5.
BERTACINI MORAES, JULIANA CRISTINA; TEROSSI, MARIANA; BURANELLI, RAQUEL CORREA; TAVARES, MARCOS; MANTELATTO, FERNANDO L.; DE SIQUEIRA BUENO, SERGIO LUIZ. Morphological and molecular data reveal the cryptic diversity among populations of Aegla paulensis (Decapoda, Anomura, Aeglidae), with descriptions of four new species and comments on dispersal routes and conservation status. Zootaxa, v. 4193, n. 1, p. 1-48, NOV 15 2016. Citações Web of Science: 18.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MORAES, Juliana Cristina Bertacini de. Revisão taxonômica e análise cladística de Aegla Leach, 1820 (Crustacea, Anomura, Aeglidae) com ocorrência nas bacias hidrográficas do Alto Paraná e do Alto Uruguai. 2016. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.