Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos do tamanho do fragmento florestal e os limiares da diversidade funcional e filogenética para pequenos mamíferos na Mata Atlântica

Processo: 14/18800-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 18 de janeiro de 2015
Vigência (Término): 27 de outubro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia de Ecossistemas
Pesquisador responsável:Mauro Galetti Rodrigues
Beneficiário:Ricardo Siqueira Bovendorp
Supervisor no Exterior: Robert A. McCleery
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Florida, Gainesville (UF), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:13/25441-0 - Mudança na diversidade funcional e filogenética de pequenos mamíferos em paisagens defaunadas na Mata Atlântica, BP.PD
Assunto(s):Biodiversidade

Resumo

Apesar dos esforços de conservação, a perda de biodiversidade ainda está acontecendo rapidamente em escalas regionais e/ou globais, especialmente em áreas de alto endemismo, hotspots, como Mata Atlântica. Esta perda de biodiversidade vem acontecendo devido ao aumento de distúrbios, tais como exploração excessiva das espécies, fragmentação, destruição de habitats, invasão de espécies exóticas e a remoção de grandes mamíferos. Pequenos mamíferos desempenham um papel importante na dinâmica florestal e são bons indicadores de alterações locais e de paisagem. Modelos conceituais têm sugerido que, para os pequenos mamíferos, a fragmentação e a perda de habitat acarreta o aumento das espécies mais generalistas em detrimento das espécies especialistas de habitat. Atualmente estudos indicam que o conhecimento das alterações na diversidade funcional e filogenética em diferentes organismos suportam um melhor entendimento: (a) da densidade e riqueza apresentada, (b) das composições favorecendo algumas espécies, e (c) as várias funções desempenhadas pelas espécies, alterando a funcionalidade e, portanto, os serviços ecológicos prestados pelo ecossistema. Portanto o presente projeto visa investigar se a variação na diversidade funcional e filogenética de pequenos mamíferos pode ser explicada pelo tamanho do fragmento florestal e se esta relação é linear ou ter limiares críticos. Deste modo pretendemos indicar áreas prioritárias para conservação com base na quantidade de funções ecológicas que os remanescentes florestais ainda mantêm. (AU)