Busca avançada
Ano de início
Entree

Análises metabolômicas aplicadas nos estudos dos transtornos mentais graves: esquizofrenia, transtorno bipolar e dependência de crack

Processo: 15/00841-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2015
Vigência (Término): 31 de maio de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Elisa Brietzke
Beneficiário:Mariana Guedes Pedrini Uebel
Instituição-sede: Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Esquizofrenia   Metaboloma   Cocaína crack

Resumo

Base Teórica: A metabolômica é a mais nova plataforma "ômica" aplicada nos estudos químicos e bioquímicos dos organismos que possibilita detecção de mudanças metabólicas provocadas pelos inúmeros fatores intra- e extra- celulares. Embora doenças psiquiátricas como esquizofrenia, transtorno bipolar e dependência de crack tenham sido associadas a mudanças metabólicas, estudos de metabolômica nessas populações ainda são escassos. Objetivos: Comparar o perfil metabólico de indivíduos com esquizofrenia, transtorno bipolar e dependência de crack com controles saudáveis. Métodos: 150 indivíduos com transtornos psiquiátricos serão incluídos (50 com esquizofrenia, 50 com transtorno bipolar e 50 com dependência de crack) e comparados com 50 indivíduos saudáveis (grupo controle). O diagnóstico será realizado através de entrevista clínica usando a Entrevista Clínica Semi-Estruturada do DSM-IV (SCID). A análise da gravidade de sintomas será feita utilizando-se os seguintes instrumentos: Positive and Negative Syndrome Scale (PANSS), Hamilton Depression Rating Scale (Ham-D) e Young Mania Rating Scale (YMRS). Resultados esperados: Espera-se encontrar diferenças entre o metaboloma dos indivíduos com transtornos psiquiátricos maiores e os controles saudáveis. Espera-se encontrar diferenças entre os grupos de portadores de esquizofrenia, transtorno bipolar e dependência de crack no que diz respeito ao metaboloma. (AU)