Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de nanopartículas lipídicas sólidas no carreamento da triptolida para tratamento tópico da psoríase

Processo: 16/12235-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2016
Vigência (Término): 31 de julho de 2017
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Pesquisador responsável:Maria Vitória Lopes Badra Bentley
Beneficiário:Julia Martins Shih
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Nanotecnologia farmacêutica   Doenças inflamatórias   Psoríase   Nanopartículas lipídicas sólidas   Homogeneização   Técnicas in vitro

Resumo

A psoríase é uma doença inflamatória crônica da pele e articulações, imuno-mediada, de base genética, com grande polimorfismo de expressão clinica, acomentendo homens e mulheres igualmente. A triptolida (TP) tem se mostrado um fármaco eficaz no tratamento da psoríase, mediando diversas vias inflamatórias, sendo assim um importante imunossupressor. Entretanto, devido à toxicidade de múltiplos órgãos associada a seu uso sistêmico e irritação causada pelo seu uso tópico na forma livre, a TP não é muito utilizada terapeuticamente. Assim, têm-se investigado a administração tópica da TP de modo a diminuir os efeitos tóxicos, diminuir a dose necessária para desencadear um efeito terapêutico, aumentar a penetração do fármaco na pele e aumentar o tempo de permanência do fármaco no sítio de ação. Dentre as estratégias que tem sido investigadas, pode-se incluir o uso de sistemas nanoestruturados como as nanopartículas lipídicas sólidas (NLS), que são o objeto desse projeto. Assim, este projeto visa o desenvolvimento de NLS incorporados com TP, de modo a obter um sistema para aplicação tópica que libere adequadamente a TP na pele, sem causar irritação e/ou toxicidade, como futura proposta de tratamento tópico da psoríase. As nanopartículas serão obtidas pelos métodos de homogeneização a quente e homogeneização a alta pressão, sendo posteriormente caracterizadas quanto ao diâmetro e potencial zeta, através do espalhamento dinâmico da luz e mobilididade eletroforética respectivamente. Também serão avaliadas a eficiência de encapsulação, e liberação e permeação in vitro da TP usando membrana sintética e orelha de porco.