Busca avançada
Ano de início
Entree

Marcadores epigenéticos relacionados à via do apetite/saciedade em mulheres com obesidade grau III antes e após a derivação gástrica em Y de Roux

Processo: 17/05927-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2017
Vigência (Término): 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Carla Barbosa Nonino
Beneficiário:Leticia Santana Wolf
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Cirurgia bariátrica   Epigênese genética   Obesidade   Apetite

Resumo

Introdução: A indicação de cirurgia bariátrica vem crescendo nos dias atuais devido ao seu sucesso na perda de peso e melhora nas desordens metabólicas, como diabetes e dislipidemias. No entanto, estudos recentes mostram que variantes genéticas podem explicar a predisposição à obesidade, o que se relaciona com uma resistência à perda de peso após uma intervenção cirúrgica. Além disso, existem evidências de que a genética contribui substancialmente para a regulação do peso corporal, por meio de uma interação complexa entre hormônios e neuropeptídeos, sob o controle principal de núcleos hipotalâmicos. Nesse contexto, genes relacionados a apetite / saciedade exercem importante papel na regulação do metabolismo e podem estar associados com controle de peso. Objetivo: Avaliar modificações sem padrão de metilação de genes relacionados com a via de apetite / saciedade em mulheres com obesidade grau III antes e após uma derivação gástrica em Y de Roux (DGYR). Casuística e Metodologia: Serão selecionados 20 indivíduos do sexo feminino, de população mista e com idade entre 18 e 60 anos, distribuídos em 2 grupos: 1. Grupo Intervenção Cirúrgica, composto por 10 mulheres com obesidade grau III > 40 kg / m²) e 2. Grupo Controle, composto por 10 mulheres em eutrofia (IMC entre 18,5 e 24,9 kg / m²) sem comorbidades associadas. Trata-se de um estudo de caráter longitudinal, não tem sido realizado avaliação dietética, antropométrica, análise bioquímica e análise genética para avaliação da metilação dos genes relacionados com a via do apetite / saciedade antes e depois seis meses da DGYR. (AU)