Busca avançada
Ano de início
Entree

Evolução de fungos parasitas encontrados em colônias das formigas atíneas

Processo: 18/07931-3
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2018
Vigência (Término): 30 de setembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:André Rodrigues
Beneficiário:Quimi Vidaurre Montoya
Supervisor no Exterior: Nicole Marie Gerardo
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Local de pesquisa : Emory University, Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:16/04955-3 - Filogenia, sistemática e diversificação de fungos do gênero Escovopsis associados às formigas Attini, BP.DR
Assunto(s):Micologia   Fungos   Escovopsis   Formigas

Resumo

Interações simbióticas desempenham um papel importante na evolução da vida, além de permitirem a estruturação de sistemas complexos na natureza. Um exemplo é a associação das formigas atíneas com múltiplos micro-organismos. Esses insetos coletam vários substratos vegetais para alimentar um fungo, o qual é a fonte de alimento para a colônia. Entretanto, fungos do gênero Escovopsis afetam esse mutualismo, levando as colônias à morte. Esses fungos são os únicos parasitas conhecidos que exploram a associação formiga-fungo mutualista. A diversidade e a relação evolutiva entre as linhagens de Escovopsis foram pouco exploradas. O projeto FAPESP # 2016/04955-3, em andamento, permitiu vislumbrar a diversidade filogenética de Escovopsis a partir de amostras coletadas no Brasil. Nossos resultados inéditos sugerem que Escovopsis compreende vários gêneros de fungos. Tal observação abre a possibilidade de que o fungo mutualista foi alvo de uma relação de multiparasitismo durante a evolução. Para avaliar esta ideia, o presente projeto pretende inferir a história evolutiva do parasitismo no sistema das formigas atíneas e construir uma árvore filogenética abrangente de Escovopsis, em relação aos novos gêneros de fungos. Para tal análise, amostras de outros habitats dos Neotrópicos são necessárias para ter uma visão ampla da filogenia desses fungos. Nesse contexto, é fundamental a visita no grupo de pesquisa da Dra. Nicole M. Gerardo (do Departamento de Biologia, Emory University, EUA) visto que o laboratório possui: (i) uma coleção de linhagens de Escovopsis de vários países da América Central e do Sul, (ii) larga experiência em análises para avaliar o tempo de divergência dos novos gêneros, e (iii) uma vasta bagagem em ecologia de doenças que afetam sistemas fungos-insetos, bem como associações parasita-hospedeiro. Os resultados desse trabalho ampliarão o conhecimento sobre a origem do parasitismo nas colônias das formigas atíneas e esclarecerão como essas relações influenciaram a história desses insetos.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.