Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização de genes de Leishmania amazonensis regulados pela atividade da arginase

Processo: 18/10389-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2018
Vigência (Término): 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Juliana Ide Aoki
Beneficiário:Thalita Biancato Iha
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Análise de sequência de RNA   Poliaminas   Transcriptoma

Resumo

O parasita do gênero Leishmania apresenta duas formas morfológicas principais em seu ciclo de vida. As formas promastigotas são extracelulares, alongadas, flageladas e se proliferam no trato digestório do hospedeiro invertebrado. As formas amastigotas são intracelulares, com flagelo não aparente e se proliferam em células do sistema fagocítico mononuclear, sendo o macrófago a principal célula do hospedeiro vertebrado. O nosso grupo de pesquisa vem estudando a via de poliaminas em Leishmania e vem caracterizando o papel da arginase, que utiliza o aminoácido L-arginina para produção de ureia e ornitina, sendo esse último precursor de poliaminas, responsáveis pela proliferação do parasita. A técnica de RNA-seq vem sendo amplamente utilizada e contribuindo para desvendar como ocorre a estabilidade, processamento do mRNA e regulação da expressão gênica. Dados recentes de RNA-seq do nosso grupo de pesquisa demonstraram uma regulação de expressão diferencial de vários genes entre formas promastigotas de L. amazonensis selvagem (La-WT) e L. amazonensis nocaute para arginase (La-arg-). Entre os genes diferencialmente expressos, dois transcritos se apresentaram com maior nível de regulação, sendo uma proteína hipotética (LmxM.15.1520) com um aumento de expressão, e uma proteína de ligação ao RNA (LmxM.07.0990) com uma diminuição de expressão. Assim, no presente projeto pretendemos caracterizar ambas, que fornecerão informações importantes no entendimento de como a atividade da arginase pode modular os mecanismos de regulação de expressão gênica para subverter a ausência da enzima para a sobrevivência do parasita.