Busca avançada
Ano de início
Entree

Controlando células piramidais do córtex pré-frontal com optogenética: da padronização metodológica à validação imunoistoquímica e eletrofisiológica

Processo: 18/16920-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2018
Vigência (Término): 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:João Pereira Leite
Beneficiário:Benedito Alves de Oliveira Júnior
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/17882-4 - Epilepsias farmacorresistentes: desafios diagnósticos, estudo das comorbidades associadas e novas abordagens experimentais, AP.TEM
Assunto(s):Neurociências   Epilepsia   Córtex pré-frontal   Ações farmacológicas   Optogenética   Eletrofisiologia   Imuno-histoquímica

Resumo

A epilepsia afeta milhões de pessoas ao redor do mundo. Atualmente, a intervenção farmacológica é a abordagem primordial, no entanto, o tratamento com drogas antiepilépticas pode causar efeitos colaterais nos pacientes. Dada esta situação, as ferramentas de optogenética tem se destacado para elucidar as bases neurais das doenças neurológicas, possibilitando novas formas de intervenção. Ela se baseia na expressão de bombas de prótons e canaisiônicos sensíveis por luz, podendo ativar ou desativar um grupo específico de células, auxiliando na investigação de circuitos neurais relevantes para a pesquisa em neurociências. O presente projeto tem como intuito a implementação epadronização da técnica em nosso laboratório por meio de validação imunoistoquímica, eletrofisiológica em animais livre movimento estimulados através de implantes de fibra óptica. Este projeto permitirá que esta técnica seja utilizadano contexto da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto, possibilitando novos trabalhos e investigações que ampliem o conhecimento sobre as bases neurais das doenças neurológicas como a epilepsia, associada ou não a transtornos psiquiátricos.