Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização mandibular de indivíduos com Sequência de Robin isolada e Síndrome de Treacher Collins: avaliação tridimensional

Processo: 18/00061-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2018
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Ortodontia
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Daniela Gamba Garib Carreira
Beneficiário:Renata Mayumi Kato
Instituição-sede: Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC). Universidade de São Paulo (USP). Bauru , SP, Brasil
Assunto(s):Tomografia computadorizada de feixe cônico   Disostose mandibulofacial   Síndrome de Pierre Robin

Resumo

Introdução: A Sequência de Robin (SR) é uma anomalia congênita, caracterizada por micrognatia e glossoptose, podendo ou não estar associada à fissura de palato. Sua incidência na população geral varia entre 1:2000 e 1:30.000, podendo manifestar-se isoladamente ou associada a outras síndromes. O refinamento fenotípico dessa sequência em comparação com a síndrome de Treacher Collins mostra-se importante para auxiliar o diagnóstico diferencial entre as duas anomalias craniofaciais. Objetivos: O propósito deste trabalho será realizar a caracterização das estruturas mandibulares de indivíduos com Sequência de Robin isolada e compará-las com indivíduos com Disostose mandibulofacial (DMF) do tipo Treacher Collins. Métodos: A amostra da pesquisa será composta por dois grupos de estudo: grupo SR, composto por 30 indivíduos com Sequência de Robin isolada de 7 a 20 anos de idade e grupo TC, composto por 30 pacientes com Treacher Collins de 7 a 20 anos. Serão utilizados exames de tomografia computadorizada de feixe cônico (TCFC) do arquivo do HRAC-USP para ambos os grupos. As TCFC do grupo SR serão complementadas ao longo do período do estudo em pacientes que serão submetidos a tratamento ortodôntico-cirúrgico ou intervenções otorrinolaringológicas que se beneficiem do exame tridimensional. Os exames serão analisados de três formas distintas: 1. Análise cefalométrica tridimensional após segmentação das imagens; 2. Análise morfológica das imagens tridimensionais segmentadas; 3. Análise da simetria mandibular. Os softwares utilizados serão o Dolphin (Dolphin Imaging 11.0 & Management Solutions, Califórnia, Estados Unidos) e Mimics Innovation Suite (Materialize, Leuven, Bélgica). Análise dos dados: Os dados coletados serão transferidos para o software SPSS (versão 16.0, SPSS, Chicago, I11). Será utilizado o teste Shapiro-Wilk para verificação da distribuição normal dos dados. A comparação intergrupo e da simetria mandibular será realizada pelo teste t independente e teste t pareado, respectivamente. O nível de significância considerado será 5%. Descritores: Síndrome de Pierre Robin. Disostose mandibulofacial. Tomografia computadorizada de feixe cônico.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
KATO, RENATA MAYUMI; MOURA, PRISCILA PADILHA; ZECHI-CEIDE, ROSELI MARIA; TONELLO, CRISTIANO; PEIXOTO, ADRIANO PORTO; GARIB, DANIELA. Comparison Between Treacher Collins Syndrome and Pierre Robin Sequence: A Cephalometric Study. CLEFT PALATE-CRANIOFACIAL JOURNAL, v. 58, n. 1, p. 78-83, . (18/00061-3)
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
KATO, Renata Mayumi. Comparação entre Síndrome de Treacher Collins e Sequência de Robin Isolada: um estudo com TCFC. 2020. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB/SDB) Bauru.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.