Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da variabilidade do veneno de serpentes do Complexo Bothrops jararaca e sua correlação com os processos de especiação em ilhas continentais

Processo: 18/25749-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2019
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Convênio/Acordo: NSF - Dimensions of Biodiversity e BIOTA
Pesquisador responsável:Inácio de Loiola Meirelles Junqueira de Azevedo
Beneficiário:José Antonio Portes Junior
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/50127-5 - Dimensions US-BIOTA São Paulo: scales of biodiversity: integrated studies of snake venom evolution and function across multiple levels of diversity, AP.BTA.TEM
Assunto(s):Transcriptômica   Evolução   Serpentes   Bothrops jararaca   Proteômica   Venenos

Resumo

Os mecanismos moleculares da evolução adaptativa são pouco conhecidos. Ainda não compreendemos como novidades evolutivas complexas são geradas durante os processos de especiação recentes. Características fenotípicas distintas poderiam surgir por alterações da regulação gênica ou pela seleção direcional de mutações nos próprios genes. Serpentes peçonhentas isoladas em ilhas são poderosos modelos para estudos sobre os processos evolutivos que geram a diversidade fenotípica. Os venenos produzidos pelas espécies do complexo Bothrops jararaca são considerados altamente relacionados com a disponibilidade de presas das mesmas. Populações de B. jararaca passaram por diversos processos de especiação recente, nas ilhas continentais do sudeste do Brasil, tornando estas populações insulares um caso extremo de adaptação recente a nichos distintos. Este projeto visa avaliar a complexidade dos venenos em populações insulares e continentais do complexo Bothrops jararaca afim de inferir a importância da composição do veneno na adaptação destas populações ao nicho em que se encontram. Para isto, analisaremos os perfis cromatográficos dos venenos individuais, geraremos o transcriptoma das glândulas de veneno e caracterizaremos o proteoma de cada veneno por análises de espectrometria de massas. Com base nos resultados obtidos buscaremos correlacionar a diversidade do veneno a parâmetros demográficos, biológicos e ecológicos das populações amostradas. Desta forma, testaremos a hipótese de que a rápida diferenciação fenotípica entre espécies intimamente relacionadas pode ser moldada por intenso processo de seleção natural, o que forneceria suporte as teorias de especiação ecológica através da rápida adaptação a diferentes nichos.