Busca avançada
Ano de início
Entree

Contribuição dos ácidos graxos de cadeia curta para o desenvolvimento de síndrome metabólica não clássica pós-infecção intestinal aguda

Processo: 19/14026-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2019
Vigência (Término): 30 de abril de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Denise Morais da Fonseca
Beneficiário:Bárbara Cristina Pizzolante
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/25364-0 - Cicatriz imunológica pós-infecção intestinal aguda e desenvolvimento de desordens metabólicas: estudo das interações entre a microbiota e sistema imunológico do mesentério, AP.JP
Assunto(s):Tecido adiposo   Microbioma gastrointestinal   Inflamação crônica

Resumo

Durante muitos anos, doenças metabólicas foram exclusivamente associadas a fatores genético-ambientais. Entretanto, trabalhos recentes têm evidenciado uma importante conexão entre sistema imunológico e micro-organismos presentes no intestino no desenvolvimento de obesidade, doenças cardiovasculares e síndromes metabólicas. Em particular, inflamação crônica em tecido adiposo é um dos fatores relacionados à patogênese das doenças metabólicas. Porém, as implicações funcionais da microbiota sobre a progressão de tais doenças não são bem conhecidas, em parte devido à complexidade dos componentes da microbiota e do envolvimento bidirecional de diferentes sistemas, como o sistema imunológico e neuroendócrino, nestas desordens. Tal cenário é ainda mais complexo em indivíduos que estejam constantemente expostos a infecções gastrointestinais. A microbiota possuitambém uma função essencial na produçãode metabólitos quesão absorvidos pelo organismo,incluindo os ácidos graxos de cadeia curta (SCFA, short chain fatty acids). Os SCFAs influenciam diretamente no sistema imunológico e podem apresentar efeitos pró- e antiinflamatórios. Recentementemostramos que um único perda de compartimentalização da microbiota e inflamaçãocrônicaem diferentes compartimentos de tecido adiposo.Tendo em vistaa sobreposição de funções fisiológicas na mucosaintestinal, tecido adiposo e nomesentério, ea possibilidadede comunicação entre osdiferentes compartimentos de tecido adiposo doorganismo, é possível que infeções agudas que induzam o fenômeno de cicatrização imunológica possam também desencadear desordens metabólicas.De fato,nós verificamos queapós eliminação da infecção por Y.pseudotuberculosis camundongos desenvolvem uma forma não clássica de alteração metabólica que se manifestacomo uma melhora substancial nometabolismode carboidratosassociada à incapacidadede uso de lipídeos como fonte de energia. Amelhora no metabolismo de carboidratos está associada ao aumento de expressão de UCP1 ebeigeing em tecido adiposo branco, que adquirecaracterísticasde tecido adiposo marrom. Estefenótipo pode ser transferido parcialmentepelo transplante de tecido adiposo branco. A hipótese desse projeto é de quea inflamação crônicado tecido adiposo que se desenvolve pós-infecção está associada com o desenvolvimentodesta síndrome metabólica não clássica.