Busca avançada
Ano de início
Entree

Variabilidade circadiana da excitabilidade cortical motora em pacientes com Epilepsia do Lobo Temporal Mesial: um estudo com Estimulação Magnética Transcraniana (EMT)

Processo: 19/10760-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2019
Vigência (Término): 31 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Andre Russowsky Brunoni
Beneficiário:Pedro Sudbrack Oliveira
Instituição-sede: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Neurofisiologia   Epilepsia do lobo temporal   Estimulação magnética transcraniana   Córtex motor   Excitabilidade cortical

Resumo

As crises epilépticas na Epilepsia do Lobo Temporal Mesial (ELTM) ocorrem preferencialmente no período vespertino. Esses eventos decorrem de um desequilíbrio entre excitação e inibição corticais, atividades estas que podem ser avaliadas de forma não invasiva por meio da Estimulação Magnética Transcraniana (EMT). Objetivo: avaliar a excitabilidade do córtex motor em medidas seriadas durante um período de 24 horas por meio de paradigmas validados de EMT, em pacientes com ELTM e controles saudáveis. Hipóteses: os pacientes apresentarão maior excitabilidade cortical quando comparados ao grupo controle, com maiores diferenças no período vespertino. Métodos: vinte pacientes adultos com ELTM refratária sem comorbidades graves e 20 controles saudáveis pareados por idade e sexo serão avaliados em intervalos regulares de 4 horas ao longo de um período de 24 horas por meio da EMT com pulso único e pulsos pareados - um método não invasivo para a mensuração da excitabilidade cortical. As variáveis aferidas serão: limiar motor, amplitude e latência do potencial evocado motor, período de silêncio cortical, inibição intracortical de intervalos curtos e longos e facilitação intracortical. O grupo de pacientes será monitorizado por meio de vídeo-EEG no mesmo período e a taxa de descargas epileptiformes interictais e sua distribuição diária serão estimadas. Conclusões: esta proposta visa melhor compreender como flutuações na excitabilidade do córtex motor estão relacionadas aos desfechos clínicos (e.g. crises epilépticas) e se a hora do dia está associada a essas mudanças. Tal abordagem pode revelar mecanismos fisiopatológicos associados ao início das crises epilépticas e, portanto, contribuir para a personalização de intervenções terapêuticas. (AU)