Busca avançada
Ano de início
Entree

Microfluídica e bioimpressão 3D como rotas para o desenvolvimento de sistemas para encapsulação de macrófagos à base de hidrogéis híbridos de gelana e fibrina

Processo: 20/02313-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2021
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2022
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química
Pesquisador responsável:Lucimara Gaziola de la Torre
Beneficiário:Ana Leticia Rodrigues Costa Lelis
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/20206-8 - Modulação de monócitos, macrófagos e pericitos pelos genes dos fatores estimuladores de colônia para tratamento de isquemia de membros em modelo murino, AP.TEM
Assunto(s):Microfluídica   Bioimpressão tridimensional   Biomateriais   Encapsulamento de células   Macrófagos   Hidrogéis   Sistemas híbridos   Fibrina   Terapia baseada em transplante de células e tecidos

Resumo

Este projeto de pesquisa tem como objetivo desenvolver sistemas híbridos para entrega de células à base de matrizes poliméricas biocompatíveis via tecnologia microfluídica e bioimpressão 3D. Especificamente um estudo sistemático será conduzido para avaliar o potencial da goma gelana e fibrina de formarem hidrogéis híbridos para atuarem como sistemas de encapsulação dos macrófagos, atendendo suas necessidades estruturais e biológicas. O desenvolvimento de hidrogéis híbridos é uma estratégia promissora para superar as limitações associadas ao uso de polímeros naturais, uma vez que ela integra as vantagens física, química e biológica de cada polímero e potencializa o desempenho mecânico do hidrogel. Na primeira etapa do trabalho, a composição dos hidrogéis híbridos para encapsulação dos macrófagos será determinada. O método de gotejamento será utilizado para obter hidrogéis via diferentes métodos de gelificação para posteriormente serem caracterizados quanto às suas propriedades físicas, químicas e biológicas. Na segunda etapa do projeto, a tecnologia microfluídica e a bioimpressão 3D serão utilizadas como novas rotas tecnológicas para a obtenção de matrizes biopoliméricas, microgéis e scaffolds. Essas técnicas nos permitem, através do controle preciso das variáveis do processo, produzir hidrogéis com dimensões, forma, morfologia e polidispersidade de tamanho mais controlados que os métodos convencionais de gelificação e com alta eficiência de encapsulação celular. Com a execução deste projeto visa-se superar desafios associados ao uso de hidrogéis convencionais, utilizando biopolímeros e tecnologias relativamente pouco exploradas para a produção de bioestruturas atraentes para futuras aplicações no campo da terapia celular. (AU)