Busca avançada
Ano de início
Entree

Quantificacao de danos pos-colheita em pessego e controle pos-colheita da podridao parda(monilinia fruticola) e da podridao mole (rhizopus stolonifer).

Processo: 03/03967-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2003
Vigência (Término): 31 de agosto de 2005
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Pesquisador responsável:Lilian Amorim
Beneficiário:Fabiana Marchi de Abreu
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Hipoclorito de sódio   Ozônio   Dióxido de cloro

Resumo

Desordens pós-colheita são responsáveis pela diminuição da vida útil de produtos agrícolas com conseqüente redução do volume total comercializado e retorno econômico. Essas anomalias, de origem diversa (patológica, física ou fisiológica), podem ocorrer em qualquer etapa da cadeia produtiva, desde a colheita até seu uso pelo consumidor final, e são decorrentes de práticas inadequadas de condução da cultura no campo ou durante a colheita, transporte e/ou embalagem. Para frutas há estimativas de 50% de perdas pós-colheita. Estimativas confiáveis desses danos e perdas são escassas. O objetivo do presente projeto é quantificar danos pós-colheita em pêssego e avaliar o uso de métodos de controle alternativos para minimizar perdas causadas pelas doenças podridão parda e podridão mole. Este trabalho faz parte do projeto "Quantificação de perdas de frutos pós-colheita e difusão de tecnologia para identificação de suas causas e seu controle" enquadrado no Programa de Políticas Públicas da Fapesp. Levantamentos semanais das desordens pós-colheita em pêssego serão realizados na CEAGESP de São Paulo, entreposto responsável pela comercialização de cerca de 12% da produção brasileira, com amostras estratificadas em função da procedência do produto, variedade, tipo de transporte e armazenamento. Os métodos de controle a serem testados serão o ozônio, o Ecolife40 e os sanitizantes hipoclorito de sódio e dióxido de cloro. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ABREU, FABIANA MARCHI DE; LOURENÇO, SILVIA AFONSECA; BASSETTO, ELIANE; GONÇALVES, FABRÍCIO PACKER; MARTINS, MARISE CAGNIM; AMORIM, LILIAN. Efeito de sanificantes no controle pós-colheita da podridão parda (Monilinia fructicola) e da podridão mole (Rhizopus stolonifer) em pêssegos. Summa Phytopathologica, v. 34, n. 1, p. 83-85, 2008.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
ABREU, Fabiana Marchi de. Quantificação de danos e controle pós-colheita de podridão parda (Monilinia fructicola) e podridão mole (Rhizopus spp.) em pêssegos. 2006. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Piracicaba.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.