Busca avançada
Ano de início
Entree


Efeitos analgésico e de conforto neonatal do contato pele a pele versus sacarose durante duas punções de calcâneos repetidas e sucessivas em recém-nascidos: ensaio clínico randomizado

Texto completo
Autor(es):
Liciane Langona Montanholi
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: Ribeirão Preto.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
Data de defesa:
Membros da banca:
Carmen Gracinda Silvan Scochi; Maria Vera Lúcia Moreira Leitão Cardoso; Thaíla Corrêa Castral
Orientador: Carmen Gracinda Silvan Scochi; Fay Warnock
Resumo

O contato pele a pele e a administração oral de sacarose têm se mostrado efetivos no alívio da dor em procedimentos únicos. No entanto, há escassez de estudos que avaliam o uso do contato pele a pele em procedimentos repetidos. O objetivo geral deste estudo é comparar a efetividade do contato pele a pele em relação ao uso de sacarose 25% no alívio da dor e conforto neonatal durante duas punções de calcâneo repetidas e sucessivas, nas primeiras horas de vida. Trata-se de ensaio clínico randomizado e controlado com 40 recém-nascidos >= 36 semanas de idade gestacional e 40 mães no grupo pele a pele (3 minutos antes, durante e após a punção de calcâneo) e 40 recém-nascidos no grupo sacarose 25% (administrada 2 minutos antes da punção), todos internados no alojamento conjunto de um hospital universitário de Ribeirão Preto. Antecedendo a coleta de dados, foi assinado o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido pelas mães participantes. Os dados foram coletados em 18 fases, divididos em duas punções de calcâneo, com nove fases cada: basal (FB), tratamento (Tto, 3º minuto do contato pele a pele e 2º minuto após a administração da sacarose), antissepsia (Anti), punção de calcâneo até 15 segundos subsequentes (T0), 15 segundos (T15), 30 segundos (T30), 60 segundos (T60), 120 segundos (T120) e 180 segundos (T180) após a punção de calcâneo. Mensuraram-se as variáveis: mímica facial, estado de sono e vigília, choro (duração e qualidade), autorregulação/autoconforto do recém-nascido e ações de conforto oferecidas pela mãe ao filho recém-nascido. Os dados foram tratados de forma descritiva, comparando-se a evolução das medidas ao longo do tempo, nos grupos de tratamento (teste Freedman), e entregrupos, em cada fase (teste de Mann- Whitney). Não houve diferença significativa (p<0,05) entre os grupos estudados quanto à frequência, duração e porcentagem média da mímica facial nas duas punções de calcâneo. Na segunda punção, o grupo pele a pele permaneceu significativamente mais tempo em sono profundo em cinco fases (Tto 2, p=0,010; T0 2, p= 0,0026; T15 2, p=0,005; T30 2, p=0,018 e T60 2, p=0,012) e o grupo sacarose em alerta ativo em três fases do procedimento (T0 2, p=0,007; T15 2, p=0,007 e T30 2, p=0,035). O choro, na segunda punção de calcâneo, esteve mais presente no grupo pele a pele em todas as fases (Tto 2, p=0,010; Anti 2, p=0,022; T0 2, p=0,004; T15 2, p=0,032; T30 2, p=0,022; T60 2, p=0,022; T120 2, p=0,022 e T180 2, p=0,022), predominando o choro forte a maior parte do tempo em ambos grupos. O grupo sacarose manifestou médias de sugar (frequência, duração e porcentagem média) significativamente maiores que o pele a pele em várias fases da coleta de dados. Acariciar e abraçar foram as ações mais frequentes manifestadas pelas mães. A frequência cardíaca não diferiu entre os grupos, exceto na fase tratamento 2 (p=0,04), sendo maior no grupo sacarose em comparação com o pele a pele. Conclui-se que o contato pele a pele é tão efetivo quanto a administração oral de sacarose 25% no alívio da dor de RN expostos a duas punções de calcâneo repetidas e sucessivas, confirmando a hipótese de estudo (AU)

Processo FAPESP: 12/01938-0 - Efeitos analgésicos e de conforto neonatal do contato pele a pele versus sacarose durante duas punções de calcâneos repetidas e sucessivas em recém-nascidos: ensaio clínico randomizado
Beneficiário:Liciane Langona Montanholi
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado