Busca avançada
Ano de início
Entree


Avaliação de aditivos na alimentação de vacas leiteiras

Texto completo
Autor(es):
Thiago Henrique Annibale Vendramini
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Pirassununga.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Data de defesa:
Membros da banca:
Francisco Palma Rennó; Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso; Marcus Antonio Zanetti
Orientador: Francisco Palma Rennó
Resumo

Objetivou-se avaliar a utilização de diferentes aditivos na alimentação de vacas em lactação sobre o consumo e digestibilidade aparente total da matéria seca e nutrientes, fermentação ruminal, produção e composição do leite, perfil metabólico e balanço de nitrogênio. Foram utilizadas 24 vacas da raça Holandesa, sendo destas 8 canuladas no rúmen, com média de produção de leite de 31,44 ± 4,83 kg, peso corporal médio de 586,07 ± 79,63 kg e com 175,89 ± 99,74 dias de lactação no início do fornecimento das dietas experimentais. Distribuídas em seis quadrados latinos 4x4, contemporâneos e balanceados, para receber as seguintes dietas experimentais: 1) Controle (CT), composta por dieta basal sem a inclusão de aditivos; 2) Crina (CRI) (Crina&reg; Ruminants, DSM-TORTUGA) , produto composto por uma mistura de óleos essenciais, sendo utilizado 1 g/vaca/dia; 3) Quitosana (QUI), com inclusão de quitosana na ordem de 150 mg/kg de peso vivo; 4) (MON) (Monensina DSM-TORTUGA), com inclusão de monensina na dose 24 mg/kg de matéria seca. Não foram observadas diferenças (P&lt;0,05) entre os tratamentos para consumo de matéria seca e nutrientes. Para digestibilidade da matéria seca e matéria orgânica a dieta QUI apresentou maiores valores (P<0,05) quando comparados a CRI. Em relação à digestibilidade da proteína bruta, a dieta com Crina foi menor (P<0,05) em relação aos demais aditivos. Não foram observadas diferenças (P<0,05) para produção e composição do leite entre as dietas experimentais. Os consumos de energia digestível e metabolizável foram maiores para os animais suplementados com quitosana em relação as dietas CO e MON. As eficiências da utilização de energia foram superiores para CO em relação a dieta com quitosana. A inclusão de monensina aumentou o colesterol total sérico em comparação a dieta controle. A excreção de nitrogênio fecal (g/dia), foi menor para CRI em relação aos demais aditivos, para % nitrogênio fecal total foi observada redução em relação a dieta com a adição de quitosana apenas. O balanço de nitrogênio em (g/dia) este foi maior para QUI, em relação MO. Quanto aos parâmetros fermentativos a inclusão de monensina e quitosana nas dietas reduziu a concentração de acetato (mmol/L), e a dieta CRI, aumentou ainda a concentração de propionato em mmol/L. Para a concentração de butirato, em mmol/L, a inclusão de monensina reduziu a concentração desta variável em relação à dieta controle, já os AGCR em mmol/L, todos os aditivos demonstraram efeito de redução (P<0,05), em relação à dieta controle. Para a concentração total de ácidos graxos de cadeia curta (mmol/L), as dietas com inclusão de Crina e monensina mostraram redução desta variável em relação à dieta controle. Assim, é possível concluir que quanto aos óleos essenciais (Crina Ruminants), as respostas não foram positivas para as variáveis avaliadas, possivelmente ocasionada pela intensa atividade antimicrobiana, não seletiva apenas aos microrganismos desejados, levando a efeitos desfavoráveis, entretanto a utilização de quitosana na alimentação de vacas leiteiras apresentam resultados semelhantes à utilização de monensina sódica ou superiores a dieta controle dependendo das variáveis a serem avaliadas, e pode ser uma grande alternativa na nutrição destes animais (AU)

Processo FAPESP: 13/24597-6 - Avaliação de Diferentes Aditivos na Alimentação de Vacas Leiteiras
Beneficiário:Thiago Henrique Annibale Vendramini
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado