Busca avançada
Ano de início
Entree


Os mecanismos de tolerância ao alumínio em Styrax camporum envolvem síntese e secreção de ácidos orgânicos?

Texto completo
Autor(es):
Brenda Mistral de Oliveira Carvalho
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro).
Data de defesa:
Membros da banca:
Marcio Roberto Soares; Jorge Fernando Pereira
Orientador: Gustavo Habermann
Resumo

A vegetação do Cerrado, tipicamente conhecida como ‘Savana brasileira’, é constituída por espécies que são adaptadas a crescer em solos ácidos e ricos em alumínio (Al). Usando Styrax camporum, uma planta lenhosa do Cerrado moderadamente acumuladora de Al, examinamos se esta espécie exclui Al de duas raízes por meio da exsudação de ácidos orgânicos (AOs) para manter baixo conteúdo de Al na folha em relação às plantas tipicamente acumuladoras de Al dessa vegetação. Para isso, medimos os ácidos cítrico, málico e oxálico exsudado por S. camporum cultivada em solução nutritiva contendo 0, 740 e 1480 M Al por 30 dias, usando GC-MS. Além disso, a concentração de Al nessas soluções foi medida aos 0 e 30 dias do estudo, usando ICP-OES para estimar a absorção de Al pelas plantas. Exceto para o ácido málico, plantas expostas ao Al exsudaram mais AOs que aquelas não expostas ao Al. Depois de 30 dias, enquanto plantas expostas a 740 M Al absorveram 40% do Al disponível na solução, plantas expostas a 1480 M Al absorveram 60%. Ao mesmo tempo, plantas expostas a 1480 M Al exsudaram menor concentração de ácidos cítrico e oxálico, em relação às plantas expostas a 740 M Al. Considerando que maior exsudação de AO causou menor absorção de Al, é possível que os ácidos cítrico e oxálico estejam detoxificando o Al nessa espécie moderadamente acumuladora. Além disso, parece que, para esta espécie, concentrações crescentes de Al em solução nutritiva podem causar diminuições proporcionais nos padr... (AU)

Processo FAPESP: 16/14216-3 - Os mecanismos de tolerância ao alumínio em Styrax camporum envolvem síntese e secreção de ácidos orgânicos?
Beneficiário:Brenda Mistral de Oliveira Carvalho Bittencourt
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado