Busca avançada
Ano de início
Entree


Caracterização seminal e das alterações hemodinâmicas da próstata e testículos de cães com hiperplasia prostática benigna

Texto completo
Autor(es):
Daniel de Souza Ramos Angrimani
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Data de defesa:
Membros da banca:
Camila Infantosi Vannucchi; Maria Denise Lopes; Marcilio Nichi; Fabiana Ferreira de Souza; Gisele Almeida Lima da Veiga
Orientador: Camila Infantosi Vannucchi
Resumo

A hiperplasia prostática benigna (HPB) é a doença de maior incidência em cães senis. Assim, a caracterização da patogênese da doença é de suma importância, tal como a avaliação de animais submetidos a tratamento clínico ou cirúrgico (terapia com finasterida e orquiectomia). Neste contexto, o objetivo dessa pesquisa foi caracterizar as alterações seminais, hormonais e hemodinâmicas da próstata e testículos de cães com HPB, submetidos a diferentes tratamentos. Assim, foram utilizados 25 cães entre doentes e hígidos e empregados as seguintes ferramentas experimentais: ultrassonografia Doppler com o intuito de caracterizar mudanças hemodinâmicas da próstata e testículos, imunohistoquímica e PCR para a expressão do fator VEGF na próstata, avaliação morfohistológica dos testículos, dosagem hormonal (testosterona, estrógeno e di-hidrotestosterona), análise andrológica, seminal e do estresse oxidativo e enzimas antioxidantes. Foi possível observar redução do escore de vascularização prostático (Doppler Colorido) em animais tratados com finasterida ou orquiectomizados, além de redução do volume prostático. O tratamento com finasterida reduziu a imunomarcação para o VEGF na próstata, porém a orquiectomia também inibiu a expressão gênica do VEGF. A finasterida, ainda, reduziu os níveis séricos de di-hidrotestosterona, não causando impactos significativos na qualidade seminal. Já a HPB promoveu alterações significativas na concentração de testosterona e na qualidade seminal (baixa concentração espermática, alteração da cinética espermática e altos índices de fragmentação de DNA espermático). Em conclusão, a atividade prostática do VEGF é dependente da ocorrência de HPB e dos diferentes tratamentos empregados, promovendo diferenças na vascularização e volume prostático. Ademais, cães com HPB possuem alterações no perfil hormonal e na espermatogênese, porém o período de tratamento com finasterida (2 meses) favorece a recuperação da doença, auxiliando em novas abordagens de diagnóstico e prognóstico da hiperplasia prostática benigna em cães. (AU)

Processo FAPESP: 13/25966-5 - Caracterização seminal e das alterações hemodinâmicas da próstata e testículos de cães com hiperplasia prostática benigna
Beneficiário:Daniel de Souza Ramos Angrimani
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado