Busca avançada
Ano de início
Entree


Diversidade morfológica craniana, micro-evolução e ocupação pré-histórica da costa brasileira

Texto completo
Autor(es):
Maria Mercedes Martinez Okumura
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Walter Alves Neves; Sabine Eggers; Tania Andrade Lima; Pedro Ignacio Schmitz; Gabriel Henrique Marroig Zambonato
Orientador: Walter Alves Neves
Resumo

As primeiras evidências arqueológicas a respeito do povoamento do litoral brasileiro durante a pré-história são a expansão de povos associados a sítios arqueológicos denominados sambaquis. Tais sítios ocorrem na costa brasileira, da Bahia até o Rio Grande do Sul, entre 6500 e 800 anos. Um dos modelos de dispersão inicial desses povos propõe que esta teria ocorrido em dois grandes eixos que se expandiram a partir da divisa entre São Paulo e Paraná. Há cerca de mil anos, ocorre o aparecimento de cerâmica em alguns sítios litorâneos, relacionada a grupos provenientes do interior do país. Modelos baseados na análise da morfologia craniana desses grupos indicam que em Santa Catarina, no seu litoral central, teria ocorrido a interação de dois grupos biológicos distintos antes da chegada da cerâmica, ao passo que no litoral norte de Santa Catarina, a chegada da cerâmica parece coincidir com a chegada de uma nova população. O objetivo da tese é testar as seguintes hipóteses através da análise morfológica craniana: I) os povos dos sambaquis representam, em termos regionais, pelo menos dois grupos com morfologias cranianas distintas, cuja dispersão coincide com dois bolsões regionais, um ao norte e outro ao sul de São Paulo; II) no litoral central de Santa Catarina existiram duas populações pré-cerâmicas com morfologia distinta, e com o aparecimento da cerâmica, ao menos no norte de Santa Catarina, surgiu uma nova morfologia craniana. Os resultados obtidos apontam para uma diferenciação de dois grupos principais, cuja clivagem se dá na região do Paraná. Entretanto, a hipótese de que há dois grupos morfologicamente distintos em Santa Catarina antes da chegada da cerâmica não encontra apoio nos resultados obtidos. Em relação aos grupos ceramistas catarinenses, parece haver uma relativa diferenciação entre estes e as séries sem cerâmica dessa região. (AU)

Processo FAPESP: 02/13441-0 - Diversidade morfológica craniana, micro-evolução e ocupação pré-histórica da Costa Brasileira
Beneficiário:Maria Mercedes Martinez Okumura
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado