Busca avançada
Ano de início
Entree


Anacardiaceae R. Br. na flora fanerogâmica do estado de São Paulo

Texto completo
Autor(es):
Cíntia Luíza da Silva Luz
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Jose Rubens Pirani; Lucia Rossi; Vinicius Castro Souza
Orientador: Jose Rubens Pirani
Resumo

O estudo da família Anacardiaceae tem o objetivo de contribuir com o plano mais amplo do levantamento da \"Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo\", que vem sendo subsidiado pela FAPESP desde 1994 e conta com a colaboração de pesquisadores de muitas universidades e institutos de pesquisa do Estado. As Anacardiaceae compreendem cerca de 81 gêneros e 800 espécies, presentes em ambientes secos a úmidos, principalmente em terras baixas nas regiões tropicais e subtropicais em todo o mundo, estendendo-se até as regiões temperadas. No Brasil a família encontra-se representada por 14 gêneros e 57 espécies. O levantamento das espécies foi realizado baseando-se nas coleções de Anacardiaceae do Estado de São Paulo depositadas nos herbários BHCB, BOTU, ESA, HRCB, MBM, IAC, PMSP, R, RB, SP, SPF, SPFR, SPSF e UEC, expedições de campo e consultas bibliográficas. Os resultados seguem o padrão da série \"Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo\". São apresentadas chaves de identificação para gênero e espécies, descrições morfológicas, ilustrações e dados sobre distribuição geográfica, habitat, variabilidade intraespecífica, período de floração e frutificação, grau de conservação das espécies e riscos de extinção. No Estado de São Paulo, há 12 espécies nativas distribuídas nos gêneros Anacardium, Astronium, Lithrea, Myracrodruon, Schinus, Spondias e Tapirira. Lithrea molleoides, Schinus terebinthifolius e Tapirira guianensis são as espécies mais amplamente distribuídas da família no Estado, sendo encontradas em quase todas as formações vegetacionais, inclusive em áreas antropizadas. Spondias mombin é encontrada na floresta Estacional Semidecidual e matas ciliares próximas ao rio Paraná, nas regiões noroeste e oeste do Estado. Schinus engleri é encontrada, no Estado de São Paulo, nas florestas Ombrófila Mista Alto-Montana de Campos do Jordão e da Serra da Bocaina e Schinus weinmannifolius ocorre nos cerrados e campos de Itararé e Itapeva, entre outros municípios localizados próximos à região sul-sudoeste do Estado de São Paulo. O gênero Anacardium é representado no Estado pelas espécies A. humile, planta com hábito geoxílico comum nos cerrados e A. occidentale, uma árvore pequena das restingas. Astronium graveolens e Myracrodruon urundeuva, assim como a maioria das espécies de Anacardiaceae, ocorrem nas Florestas Estacionais Semideciduais e nos cerrados do Estado de São Paulo. Um padrão de distribuição incomum é observado em Lithrea brasiliensis que, com exceção do material-tipo, não possui exemplares ulteriores do Estado de São Paulo depositados nos herbários consultados. Em relação ao grau de conservação das espécies, Lithrea brasiliensis deve ser categorizada como presumivelmente extinta (EX) e Myracrodruon urundeuva como quase ameaçada (NT), as demais espécies enquadram-se como espécies não ameaçadas, na categoria de preocupação menor (LC) (AU)

Processo FAPESP: 09/01612-4 - Anacardiaceae R. Br. na flora fanerogâmica do Estado de São Paulo
Beneficiário:Cíntia Luíza da Silva Luz
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado