Busca avançada
Ano de início
Entree


Avaliação funcional da visão de pacientes diabéticos em estados pré e pós retinopatia diabética

Texto completo
Autor(es):
Mirella Gualtieri
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Psicologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Dora Selma Fix Ventura; Adriana Berezovsky; Augusto Paranhos Júnior; Luiz Carlos de Lima Silveira; Walter Yukihiko Takahashi
Orientador: Dora Selma Fix Ventura
Resumo

O presente estudo avaliou diferentes aspectos funcionais da visão de diabéticos do tipo 2 com e sem retinopatia diabética. A visão desses pacientes foi avaliada em diferentes níveis do sistema visual por meio da aplicação de uma bateria de testes psicofísicos e eletrofisiológicos de grande sensibilidade. O objetivo foi caracterizar as alterações visuais provocadas pela doença antes do aparecimento de retinopatia, e avaliar o efeito da presença da retinopatia sobre as alterações funcionais precoces. Materiais e métodos: 31 pacientes diabéticos com retinopatia não proliferativa leve (15 , 16 ; idade = 59 ± 09; tempo de diabetes = 10 ± 06 anos); 36 pacientes diabéticos sem retinopatia (16 , 20 idade = 56 ± 11; tempo de diabetes = 06 ± 04 anos) e 30 sujeitos controle (13 , 17 ; idade = 44 ± 10 anos) foram submetidos a exames de (1) eletrorretinograma multifocal - mfERG; (2) sensibilidade ao contraste acromático segregada em componentes magno (MC) e parvocelulares (PC) Teste do pedestal; (3) perimetria visual computadorizada branco/branco e azul/amarelo e (4) teste quantitativo de visão de cores Teste de cores de Cambridge. A comparação dos dados de pacientes e controles foi feita com ANOVA e a comparação da capacidade de detecção do dano funcional entre os testes foi feita por meio da análise de curvas ROC. Resultados: ambos os grupos de pacientes manifestaram perdas significantes no mfERG, sensibilidade ao contraste e visão de cores. Em ambos os protocolos de perimetria apenas os pacientes com retinopatia tiveram perdas significativas. As respostas de pacientes com e sem retinopatia não foram significantemente diferentes na maior parte das medidas. Diferenças significativas foram encontradas entre os dois grupos em parte das latências do mfERG e na visão de cores, nos limiares do eixo tritan,. Na análise entre testes, o mfERG teve os maiores índices de sensibilidade e especificidade, seguido por visão de cores, sensibilidade ao contraste e perimetria, nesta ordem. Na comparação das áreas sob as curvas ROC não houve diferença significativa apenas entre os testes 1, 2 e 4. Conclusões: foram encontradas perdas funcionais estatisticamente significativas na avaliação psicofísica e eletrofisiológica da visão de pacientes diabéticos do tipo 2 sem e com retinopatia diabética. O presente trabalho confirma e amplia o crescente corpo de evidencias de perdas funcionais observadas precocemente no curso da diabetes, na ausência de alterações morfológicas (vasculares) detectáveis na retina. A interpretação dessas perdas precoces é de que tenham origem neural. Nossos achados indicam que a presença de retinopatia leve não teve efeito significativo sobre a maior parte dos aspectos funcionais analisados, corroborando a noção de origem neural das perdas. O efeito da diabetes sobre a função neural não parece ser específico a nenhuma das vias de processamento visual, como indicado pelos testes de sensibilidade ao contraste e de visão de cores. Os achados deste trabalho confirmam a hipótese de que, para o sistema visual, a diabetes seja uma doença neurodegenerativa da retina que pode estabelecer- se mesmo na ausência de retinopatia. Assim, a avaliação dos aspectos funcionais da visão deve ser melhor que a avaliação morfológica da retina para a identificação de pacientes diabéticos sob risco de perda visual. (AU)

Processo FAPESP: 04/15926-7 - Avaliacao visual longitudinal de pacientes diabeticos em estados pre e pos retinopatia diabetica.
Beneficiário:Mirella Gualtieri
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado