Busca avançada
Ano de início
Entree


Expressão de VEGF (VEGFR1/VEGFR2) e avaliação estereológica da membrana corioalantóide a termo em éguas Puro Sangue Inglês: influência da pluriparidade sobre o peso dos potros ao nascimento

Texto completo
Autor(es):
Carina de Fátima Guimarães
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Data de defesa:
Membros da banca:
Claudia Barbosa Fernandes; Luciano Andrade Silva; Mariana Matera Veras
Orientador: Claudia Barbosa Fernandes
Resumo

A interação materno fetal na espécie equina depende exclusivamente da complexidade anatômica e fisiológica da placenta e este órgão endócrino provisório é a peça chave do presente estudo, onde objetivou-se avaliar a influência do número de partos sob a eficiência placentária. Buscando, por meio da morfometria das macro e microrregiões, além da expressão do VEGF, VEGFR-1/Flt-1 e VEGFR-2/FLK-1 na membrana corioalantóide a termo, dados referentes à inter-relação da pluriparidade, contato materno fetal e peso dos neonatos da raça Puro Sangue Inglês. O delineamento experimental consistiu em um estudo analítico, observacional, transversal, prospectivo. Foram acompanhados cinquenta partos de éguas divididas em três grupos de acordo com a pluriparidade: primíparas (n=18), 2 a 5 partos (n=14) e 6 a 10 partos (n=18). Foram coletados e fixados em formol fragmentos de 3 cm2 das regiões do corpo do útero (Cut), corno uterino gestante (CG) e corno uterino contralateral (CnG) da membrana corioalantóide a termo pós delivramento. Após processamento foram corados pela técnica de Hematoxilina & Eosina e Picro-Sirus-Red. Os estudos imunohistoquímico (método avidina-biotina) e esterológico foram realizados ao microscópio óptico. Foram correlacionados número de partos, altura e perímetro torácico (PT) maternos; idade, altura e PT paternos; composição volumétrica dos compartimentos placentários juntamente com as áreas de superfície de contato materno-fetal e peso, altura e escore de vitalidade neonatal. A paridade, além de diretamente relacionada ao peso do neonato, demonstrou na avaliação morfofuncional ser determinante ao ganho de eficiência placentária. As membranas corioalantóides das éguas pluríparas tenderam a apresentar maior volume total no CG, aumento na porcentagem e volume total de vilos, além de maior densidade microcotiledonária e expressão do VEGF na região do CG. Entre as muitas correlações determinadas no grupo primíparas as mais relevantes foram peso da membrana com variáveis neonatais como peso (r=0,598), PT (r=0,775), tempo para mamar (r=0,553) e tempo de gestação (r=-0,527), além do PT da mãe com o tempo para ruptura do cordão umbilical (r=0,564), reflexo de sucção (r=0,625), para levantar (r=0,756) e decúbito esternal (r=-590). Da mesma forma no grupo 2 a 5 partos, neonatos que nasceram com maior peso, altura, e PT apresentaram menor tempo para levantar (r=-0,546; r=-0,869, r=-0,892), eliminação do mecônio (r=-0,535) e ruptura do cordão umbilical (r=-0,528; r=-0,881). Assim como no grupo 6 a 10 partos, o peso do potro apresentou correlação com o peso (r=0,793), PT (r=0,716) e altura (r=0,667) materna. O volume total do CG correlacionou com volume total do parênquima (r=-0,816) e epitélio nos vilos placentários do CG (r=-0,915), tempo de gestação (r=-0,483), tempo para reflexo de sucção (r=-0,672), para mamar (r=-0,525), e para eliminação do mecônio (r=-0,525). No que diz respeito às variáveis paternas, o peso paterno correlacionou com o volume total do parênquima nos vilos placentários do CnG (r=0,393) , além do PT do garanhão com o peso (r=0,316) e PT (r=0,425) do potro e volume total do CG (r=0,319). Desta forma, acredita-se que estes resultados possam fornecer ferramentas práticas para auxiliar na escolha das fêmeas e machos mais indicados para geração de potros neonatos com desenvolvimento adequado. (AU)

Processo FAPESP: 11/16374-1 - Avaliação imunohistoquímica da expressão de vegf e plgf e esterológica da membrana corioalantóide a termo em éguas: influência sobre o peso e altura de potros ao nascimento.
Beneficiário:Carina de Fátima Guimaraes
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado