Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise global do status redox de células eritróides revelam o envolvimento de Prdx1 e Prdx2 na gravidade da beta talassemia

Processo: 18/24152-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de janeiro de 2019 - 30 de junho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Anderson Ferreira da Cunha
Beneficiário:Anderson Ferreira da Cunha
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Espécies de oxigênio reativas  Estresse oxidativo  Expressão gênica  Hematologia 

Resumo

A ²-talassemia é uma desordem monogênica distribuída em todo o mundo, caracterizada por uma síntese ausente ou reduzida da cadeia de globina beta. O desequilíbrio da cadeia alfa-gama e a presença de ferro livre promovem graves danos oxidativos, desempenhando um papel crucial na hemólise dos eritrócitos, exacerbando a eritropoiese ineficaz e diminuindo a longevidade dos glóbulos vermelhos (RBC). Catalase, glutationa peroxidase e peroxirredoxinas atuam em conjunto para proteger os glóbulos vermelhos do insulto peróxido de hidrogênio. Entre eles, as peroxirredoxinas destacam-se pela abundância e reatividade geral. Nos eritrócitos, a Prdx2 é a terceira proteína mais abundante, embora as isoformas de Prdxs 1 e 6 também sejam encontradas em quantidades menores. Apesar da importância dessas enzimas, Prdx1 e Prdx2 podem ter sua atividade peroxidase inativada pela hiperoxidação em altas concentrações de hidroperóxido, o que também promove a atividade chaperona molecular dessas proteínas. Alguns estudos demonstraram a importância do Prdx1 e Prdx2 para o desenvolvimento e manutenção de eritrócitos na anemia hemolítica. Neste estudo realizamos uma análise global avaliando comparativamente o perfil de expressão de várias enzimas antioxidantes e seus agentes redutores fisiológicos em pacientes com beta talassemia intermediária (BTI) e indivíduos saudáveis. Além disso, níveis aumentados de EROs foram observados não apenas em eritrócitos, mas também em neutrófilos e células mononucleares de pacientes com BTI. O nível de transcritos e o conteúdo protéico de Prdx1 foram aumentados em reticulócitos e hemácias de pacientes com BTI e o conteúdo de proteína também foi maior quando comparado à beta-talassemia maior (BTM), sugerindo que esta peroxidase poderia cooperar com Prx2 na remoção de H2O2. Além disso, a produção de Prdx2 é altamente aumentada nas hemácias de pacientes com BTM que apresentam grandes quantidades de espécies hiperoxidizadas. Um aumento significativo no conteúdo de Trx1, Srx1 e Sod1 em RBCs de pacientes com BTI sugeriu papéis protetores para estas enzimas em pacientes com BTI. Por fim, a regulação positiva dos fatores de transcrição Nrf2 e Keap1 encontrados em pacientes com BTI pode estar envolvida na regulação das enzimas antioxidantes analisadas neste trabalho. (AU)