Busca avançada
Ano de início
Entree

Câncer na infância - predisposição genética e mecanismos de origem

Resumo

O câncer representa no Brasil a principal causa de morte por doença entre crianças e adolescentes e embora cerca de 80% desses pacientes tenham atualmente sobrevida superior a 5 anos, essa população provavelmente sofrerá graves efeitos adversos em consequência do tratamento recebido e tumores subsequentes. Os cânceres na infância apresentam perfil biológico distinto de tumores de adultos, dificultando a transposição do conhecimento existente, uma vez que sua patogênese é intrinsecamente associada aos processos de organogênese, crescimento tecidual e maturação. Tumores pediátricos apresentam curta janela temporal para seu desenvolvimento, fato que está refletido na baixa frequência observada de mutações somáticas. Esse cenário indica mecanismos de origem dissimilares entre tumores pediátricos e de adultos, ressaltando o papel de mutações germinativas na predisposição ao câncer, assim como de modificações epigenéticas induzidas por exposições ambientais. A prevalência e o espectro de mutações em genes relacionados à predisposição a câncer permanecem pouco explorados no câncer pediátrico. Adicionalmente, poucos fatores ambientais foram associados de maneira significativa à gênese de tumores pediátricos. A hipótese de origem da saúde e da doença no desenvolvimento (DOHAD) propõe um modelo pelo qual exposições ambientais ocorridas durante o desenvolvimento pré/perinatal aumentariam a susceptibilidade ao câncer na infância, não pela indução de mutações genéticas, mas pela reprogramação do epigenoma. O objetivo primário deste projeto é a investigação do espectro de fatores genéticos e epigenéticos potencialmente associados à predisposição ao câncer pediátrico - (epi)mutações germinativas - e à transformação e progressão tumoral - (epi)mutações somáticas. Dois subgrupos principais serão estudados utilizando sequenciamento de exoma completo e análise de metilação de DNA (DNAm): tumores embrionários, que apresentam manifestação muito precoce, e tumores pediátricos presentes em pacientes com sinais/sintomas clínicos adicionais, como dismorfismos, anomalias congênitas e deficiência intelectual. Também propomos um estudo-piloto para averiguar se existem alterações epigenômicas em uma pequena coorte de pacientes gerados por fertilização in vitro que desenvolveram câncer na infância. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARQUES AGUIAR, TALITA FERREIRA; RIVAS, MARIA PRATES; COSTA, SILVIA; MASCHIETTO, MARIANA; RODRIGUES, TATIANE; DE BARROS, JULIANA SOBRAL; BARBOSA, ANNE CAROLINE; VALIERIS, RENAN; FERNANDES, GUSTAVO R.; BERTOLA, DEBORA R.; et al. Insights Into the Somatic Mutation Burden of Hepatoblastomas From Brazilian Patients. FRONTIERS IN ONCOLOGY, v. 10, . (13/08028-1, 18/05961-2, 16/04785-0, 17/11212-0, 16/23462-8, 18/21047-9)
QUINTERO ESCOBAR, MELISSA; CARNEIRO COSTA, TASSIA BRENA BARROSO; MARTINS, LUCAS G.; COSTA, SILVIA S.; VANHELVOORT LENGERT, ANDRE; BOLDRINI, ERICA; MORINI DA SILVA, SANDRA REGINA; FERNANDO LOPES, LUIZ; ONOFRE VIDAL, DANIEL; KREPISCHI, V, ANA C.; et al. Insights in Osteosarcoma by Proton Nuclear Magnetic Resonance Serum Metabonomics. FRONTIERS IN ONCOLOGY, v. 10, . (18/21047-9, 18/06510-4, 15/06281-7, 14/10250-7)
PIRES, SARA FERREIRA; TOLEZANO, GIOVANNA CANTINI; DA COSTA, SILVIA SOUZA; KAWAHIRA, RACHEL SAYURI HONJO; KIM, CHONG AE; ROSENBERG, CARLA; TEIXEIRA, ANNE CAROLINE BARBOSA; BERTOLA, DEBORA ROMEO; KREPISCHI, ANA CRISTINA VICTORINO. Expanding the role of SETD5 haploinsufficiency in neurodevelopment and neuroblastoma. PEDIATRIC BLOOD & CANCER, . (18/21047-9, 13/08028-1, 18/05961-2)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.