Busca avançada
Ano de início
Entree

Uso de estratégias de auto-gestão combinada ao treinamento multicomponente para mitigar os efeitos do distanciamento social da COVID-19 na funcionalidade, capacidade física, saúde mental e qualidade de vida de idosos

Processo: 20/05471-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2020 - 31 de agosto de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Anielle Cristhine de Medeiros Takahashi
Beneficiário:Anielle Cristhine de Medeiros Takahashi
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Fisioterapia  Distanciamento social  Pandemias  COVID-19  Coronavirus da síndrome respiratória aguda grave 2  Exercício físico  Autogestão  Funcionalidade  Saúde mental  Qualidade de vida  Idosos 

Resumo

Introdução: Considerando o distanciamento social (DS), recomendado pela Organização Mundial de Saúde, devido a pandemia causada pela Covid-19, e que a população idosa é considerada grupo de risco, propor estratégias de recuperação para efeitos deletérios decorrentes do período de confinamento se fazem pertinentes. Estudos apontam que o uso de técnicas de auto-gestão e educação em saúde associados a prática regular de atividade física reduzem padrão de sedentarismo e melhoram capacidade física de idosos. Objetivos: i) avaliar o efeito do período de confinamento na capacidade física de idosos; ii) correlacionar mudanças na capacidade física decorrentes do período de confinamento com a funcionalidade, saúde mental e qualidade de vida; iii) avaliar a associação de treinamento multicomponente com técnicas de auto-gestão como método de intervenção para recuperação da funcionalidade, capacidade física, saúde mental e qualidade de vida após o período de confinamento. Métodos: Trata-se de um ensaio clínico cego, randomizado e controlado. Oitenta idosos serão divididos em dois grupos: treinamento multicomponente (Multi) (aquecimento/aeróbio, resistência muscular, equilíbrio e flexibilidade) e treinamento multicomponente + técnicas de auto-gestão (Multi+AG). A intervenção se iniciará imediatamente após o fim do período de confinamento e terá duração de 16 semanas. A avaliação da capacidade física (força de preensão manual, teste de sentar e levantar, timed up and go test, teste de caminhada 6 minutos, apoio unipodal) será realizada pré confinamento (T0), imediatamente após retorno nas atividades (T1) e após a intervenção (T2). Já as medidas de qualidade de vida (WHOQUOL-OLD), saúde mental (GDS-15 e PSS-10) e funcionalidade (WHODAS 2.0) serão realizadas em T1 e T2. Resultados esperados: espera-se que os resultados obtidos no presente estudo possam guiar futuras políticas públicas de saúde, visando a recuperação dos possíveis efeitos deletérios advindos do período de confinamento ocasionado por epidemias e pandemias. (AU)