Busca avançada
Ano de início
Entree

Determinação da frequência e das características moleculares das mutações dinâmicas responsáveis por doenças neurodegenerativas

Processo: 95/09659-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de julho de 1997 - 31 de março de 2002
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Iscia Teresinha Lopes Cendes
Beneficiário:Iscia Teresinha Lopes Cendes
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):00/08847-2 - Estudos moleculares na epilepsia do lobo temporal mesial familiar, BP.PD
Assunto(s):Mutação  Doenças neurodegenerativas  Demência 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Investindo...pesquisadores_178_150_151.pdf

Resumo

No início dos anos 1990, foi descoberta uma nova classe de mutações que sabemos hoje ser responsável por cinco doenças neurodegenerativas: doença de Huntington (DH), atrofia dentatorubropalidoluisiana (DRPLA), ataxia espinocerebelar tipo 1 (SCA 1), doença de Machado- Joseph (DMJ) e doença de Kennedy (DK). Essas mutações são causadas pela expansão de um trinucleotídeo (CAG)n localizado na região codificante de cada um dos genes responsáveis pelas doenças acima. Desse modo, indivíduos normais apresentam alelos que variam de 8 a 35 unidades de CAG, enquanto indivíduos afetados apresentam alelos com mais de 40 unidades CAG. Com a disponibilidade do teste molecular, a confirmação diagnóstica em casos suspeitos, clinicamente típicos ou atípicos, pode ser realizada. Além disso, pode-se efetuar estudos de correlação, comparando o tamanho e a estrutura molecular interna do (CAG)n com aspectos clínicos e genéticos. Este projeto tem como objetivo executar a amplificação in vitro da região do (CAG)n contido nos genes responsáveis por DH, DRPLA, SCA1, DMJ e DK. Essa amplificação será feita a partir de DNA genômico obtido de pacientes com síndromes de demência e distúrbios de movimento; ataxias cerebelares; e amiotrofias espinais. O tamanho do (CAG)n será determinado em indivíduos normais e clinicamente afetados. Além disso, polimorfismos localizados adjacentes ou no interior do (CAG)n serão também estudados. Serão realizadas comparações entre o genótipo de cada paciente e características clínicas e genéticas desses indivíduos. O estudo levará à aquisição de informações que serão úteis para orientar melhor o diagnóstico clínico, assim como definirá padrões para o uso dos testes moleculares como confirmação diagnóstica e diagnóstico pré-sintomático de indivíduos em risco de desenvolver essas doenças. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Unicamp avalia viabilidade de incluir sequenciamento de DNA no SUS 
Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio::
Unicamp avalia a inclusão do sequenciamento de DNA no SUS