Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização dás gelatinases N‚O gânglio trigeminal durante o desenvolvimento dè inflamação crônica temporomandibular Èm ratos

Processo: 09/04430-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2009
Vigência (Término): 31 de maio de 2011
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Christie Ramos Andrade Leite Panissi
Beneficiário:Glauce Crivelaro Do Nascimento
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Articulação temporomandibular   Inflamação crônica   Dor facial   Metaloproteinases   Biologia oral

Resumo

A dor é um importante sintoma que sinaliza danos teciduais ou agentes potencialmente prejudiciais ao organismo e evoca respostas sensoriais e motoras de proteção. A dor orofacial é um tipo de sintomatologia que aparece em alta prevalência na sociedade atual. Esta condição dolorosa está associada a tecidos duros e moles da cabeça, face, pescoço e a estruturas intra-orais. Considerando as dores de origem músculo-esquelética, pode-se destacar aquelas causadas pela disfunção temporo-mandibular (DTM). A DTM apresenta etiologia multifatorial, caracterizada principalmente por quadros crônicos envolvendo a região cervical, a musculatura mastigatória e a articulação temporo-mandibular (ATM). A inflamação das ATMs é considerada a principal causa da dor em pacientes portadores de DTM. Sendo assim, a busca por novas opções terapêuticas para esta disfunção envolve estudos na região da ATM abrangendo aspectos fisiológicos, morfológicos e moleculares. Considerando o processo inflamatório como causa principal da dor presente nas DTMs, é de extrema importância a compreensão dos aspectos moleculares envolvidos no desenvolvimento desta condição. Neste contexto, enzimas proteolíticas extracelulares, destacando-se as metaloproteniases da matriz (MMPs), desempenham papel principal na reabsorção de colágeno e outras macromoléculas. A atividade proteolítica destas MMPs é controlada por inibidores de metaloproteinases teciduais (TIMPs), os quais contribuem para a manutenção do equilíbrio metabólico e estrutural da matriz extracelular. Sendo assim, o objetivo deste trabalho é avaliar se as MMPs tipo gelatinases (MMP-2 e MMP-9) do gânglio trigeminal e do líquido sinovial da ATM participam do desenvolvimento da alodinia mecânica e da hiperalgesia orofacial em ratos portadores de inflamação crônica bilateral na ATM. Para tanto, será analisada a expressão das gelatinases no gânglio trigeminal e do líquido sinovial da ATM durante inflamação crônica na ATM, bem como detecção da atividade gelatinolítica nestas regiões. Será feira imunolocalização das gelatinases e realização de zimografia com gelatina para detectar e quantificar as gelatinases. Por fim, para se avaliar a participação das MMPs na alodinia mecânica e na hiperalgesia de ratos portadores de inflamação crônica bilateral da ATM, será administrado (por gavagem) um inibidor não específico para MMPs (doxiciclina, 30mg/Kg/dia).

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
NASCIMENTO, G. C.; RIZZI, E.; GERLACH, R. F.; LEITE-PANISSI, C. R. A. Expression of MMP-2 and MMP-9 in the rat trigeminal ganglion during the development of temporomandibular joint inflammation. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 46, n. 11, p. 956-967, Nov. 2013. Citações Web of Science: 10.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
NASCIMENTO, Glauce Crivelaro Do. Caracterização das gelatinases no gânglio trigeminal durante o desenvolvimento de inflamação crônica temporomandibular em ratos. 2011. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.