Busca avançada
Ano de início
Entree

Modulação do metabolismo hepático da glicose pela ativação de vias inflamatórias: a participação das proteínas AMPK e Toll Like Receptor (TLR4) hipotalâmicas

Processo: 10/14034-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Marcio Alberto Torsoni
Beneficiário:Gustavo Aparecido dos Santos
Instituição-sede: Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Universidade Braz Cubas (UBC). Mogi das Cruzes , SP, Brasil
Assunto(s):Hipotálamo   Endotoxemia   Endocrinologia   Receptor 4 toll-like   Hipoglicemia   Fígado   Proteínas quinases ativadas por AMP

Resumo

O hipotálamo é uma importante região do sistema nervoso central que integra sinais hormonais e nutricionais. Ele recebe informações oriundas de tecidos periféricos através de conexões neurais e humorais. Estes sinais indicam a disponibilidade de nutrientes e das reservas energéticas em tecidos periféricos. A AMPK é uma proteína chave neste processo por ser ativada em condições de baixa disponibilidade de energia e é capaz de modular o metabolismo celular através da inibição de vias anabólicas e ativação de vias catabólicas. Sua ativação em neurônios do núcleo arqueado do hipotálamo cursa com o aumento da expressão de neuropeptídeos orexígenos, menor gasto energético e a produção de glicose hepática. A síntese hepática de glicose é um importante mecanismo de manutenção da homeostase energética e a resposta contra-regulatória desencadeada pela hipoglicemia tem importante participação da AMPK hipotalâmica. Desta maneira, a ativação da AMPK hipotalâmica é fundamental para o controle da glicemia em condições de jejum e em condições patológicas, tal como na sepse. Atualmente, os processos inflamatórios crônicos têm recebido grande atenção em estudos que procuram compreender a relação entre a obesidade, a diabetes e a redução na sinalização intracelular. Durante o quadro endotoxemia, presença de endotoxina no sangue é comum observar a hipoglicemia decorrente da inibição da produção hepática de glicose. Em condições fisiológicas a redução nos níveis de glicose no sangue leva a ativação da AMPK no hipotálamo e este efeito é importante para a eficiente resposta contra-regulatória. Portanto, danos na capacidade da AMPK hipotalâmica de ser modulada pela depleção de energia podem resultar em menor capacidade do organismo de responder a hipoglicemia desenvolvida durante a evolução do quadro de septicemia. A hipótese a ser investigada neste projeto é de que a rápida hipoglicemia desenvolvida pelos animais tratados com LPS pode ter a participação da AMPK hipotalâmica. Além disso, também será avaliada no estudo a participação de receptores hipotalâmicos do tipo TLR4, que são ativados por ácidos graxos ou LPS, na inibição da AMPK no hipotálamo e a redução na resposta contra-regulatória.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SANTOS, G. A.; MOURA, R. F.; VITORINO, D. C.; ROMAN, E. A. F. R.; TORSONI, A. S.; VELLOSO, L. A.; TORSONI, M. A. Hypothalamic AMPK activation blocks lipopolysaccharide inhibition of glucose production in mice liver. Molecular and Cellular Endocrinology, v. 381, n. 1-2, p. 88-96, DEC 5 2013. Citações Web of Science: 10.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.