Busca avançada
Ano de início
Entree

Envolvimento dos processos de morte celular nas propriedades adjuvantes da flagelina

Processo: 11/08502-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 17 de novembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:Karina Ramalho Bortoluci
Beneficiário:Silvia Lucena Lage
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/50958-8 - Interação entre receptores da imunidade inata na ativação de macrófagos e células dendríticas, AP.JP
Bolsa(s) vinculada(s):13/22770-2 - Envolvimento das catepsinas lisossomais e da ativação do NLRP3 nas propriedades adjuvantes da flagelina, BE.EP.DR
Assunto(s):Flagelina   Morte celular

Resumo

A vacinação tem como objetivo induzir imunidade protetora de longa duração contra doenças infecciosas clinicamente relevantes. Em muitos casos, faz-se necessário o uso de adjuvantes, cujo objetivo é melhorar a magnitude da resposta imune à uma vacina, tornando-a mais imunogênica. A habilidade dos agonistas dos TLRs em promover resposta imune adaptativa a partir da ativação da imunidade inata parecia ser o único mecanismo através do qual essas moléculas realizam sua atividade adjuvante. No entanto, foi observado que, para muitos adjuvantes clássicos, a sinalização via TLR é dispensável para a geração de imunidade humoral, sugerindo o envolvimento de sinais oriundos da imunidade inata não-mediados pelos TLRs no aumento das respostas de anticorpos. Nesse sentido, alguns membros da família dos receptores NLR denominados inflamassomas, como NLRP3 e o NLRC4 vem sendo descritos como responsáveis pelos mecanismos adjuvantes independentes de TLRs. Um agonista dos receptores TLR e NLR que vem sendo bastante investigado como adjuvante é a flagelina, subunidade monomérica que polimeriza para formar o flagelo presente em bactérias móveis. O reconhecimento extracelular da flagelina se dá pelo TLR5. Porém, uma vez levada ao citosol celular, a flagelina é capaz de ativar os inflamassomas NLRC4 e Naip5. Nós observamos que a flagelina purificada de S. typhimurium (FliCi) é capaz de induzir lise celular com liberação do conteúdo intracelular como a enzima lactato dehidrogenase (LDH), além de secreção de IL-1b na ausência de vesículas de transfecção, sugerindo que a mesma alcança o citosol celular em sua forma livre. Estes dados abrem espaço para um possível papel dos inflamassomas nas propriedades adjuvantes da flagelina. De fato, a literatura atual sugere um papel redundante para os receptores TLR5 e NLRC4 na habilidade imunoestimulatória da flagelina, uma vez que a resposta imune humoral induzida por esta é abolida somente na ausência de ambos os receptores, TLR5 e NLRC4. No entanto, os mecanismos pelos quais estes receptores promovem a indução de resposta imune adaptativa após estímulo pela flagelina ainda precisam ser elucidados. Uma alternativa que vem sendo postulada para outros adjuvantes e que será explorada neste projeto é a ativação do sistema imune por processos de morte celular. O reconhecimento extracelular da flagelina pelo TLR5 promove a indução do processo de autofagia envolvido no processamento e apresentação de antígenos, enquanto seu reconhecimento no citosol pelos inflamassomas induz morte da célula por piroptose. Sabe-se que células danificadas ou mortas podem liberar sinais de perigo endógenos conhecidos como "padrões moleculares associados ao dano" (DAMPs) que funcionam como adjuvantes atuando nas DCs e levando-as a apresentar antígenos aos linfócitos T de maneira imunoestimulatória. Dessa forma, nós hipotetizamos que sinais de perigo endógenos com propriedades adjuvantes podem ser liberados durante o processo de lise celular observado após estímulo com flagelina. Assim, a proposta central deste projeto é identificar a participação dos processos de autofagia e piroptose induzidos pela flagelina em seu efeito adjuvante. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Mecanismo para controle de infecções é descoberto 

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
LAGE, Silvia Lucena. Papel de inflamassomas e vias lisossomais na morte celular e resposta imune induzidas pela flagelina.. 2015. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Ciências Biomédicas São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.