Busca avançada
Ano de início
Entree

A região ótica dos Crocodyliformes, implicações evolutivas e paleobiológicas

Processo: 13/11358-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2013
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Paleozoologia
Pesquisador responsável:Denis Otavio Vieira de Andrade
Beneficiário:Felipe Chinaglia Montefeltro
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Assunto(s):Evolução animal   Crocodilo

Resumo

Este projeto é dedicado ao estudo da região ótica dos Crocodyliformes visando compreender as implicações paleoecológicas e evolutivas das variações reconhecidas na região. Para atingir este objetivo, cinco principais frentes serão exploradas: o estudo da morfologia da região ótica dos Crocodyliformes recentes, o estudo da morfologia desta região nos Crocodyliformes fósseis, a paleoecologia dos Crocodyliformes, o enfoque no estudo de três táxons fósseis principais, e a filogenia de Crocodyliformes. A morfologia da região ótica dos Crocodyliformes recentes não é completamente conhecida; existem grandes lacunas no conhecimento tanto das partes de tecido mole quanto das contrapartes ósseas. No entanto, a estrutura básica desta região é encontrada em todos os grupos fósseis, mesmo que extremamente modificada em alguns grupos. As modificações são mais proeminentes nos grupos Metriorhynchidae e Baurusuchidae, que ocuparam nichos aquáticos e terrestres, respectivamente. Isto sugere que modificações da região ótica dos Crocodyliformes estejam associadas a aspectos (paleo)ecológicos dos diferentes táxons. Neste contexto, com base em um novo táxon de Metriorhynchidae da Colômbia, o Baurusuchidae Pissarrachampsa sera, um novo Caiman do Pleistoceno do Brasil, além dos táxons recentes, será possível comparar a morfologia da região ótica de táxons aquáticos, terrestres, semiaquáticos sob o espectro evolutivo. Esta abordagem fomentará uma área carente de informações, gerando uma grande quantidade de resultados, que serão obtidos com uma combinação de técnicas, incluindo CT scan, que serão disseminados em publicações especializadas. (AU)

Publicações científicas (6)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARSOLA, JULIO C. DE A.; BATEZELLI, ALESSANDRO; MONTEFELTRO, FELIPE C.; GRELLET-TINNER, GERALD; LANGER, MAX C. Palaeoenvironmental characterization of a crocodilian nesting site from the Late Cretaceous of Brazil and the evolution of crocodyliform nesting strategies. PALAEOGEOGRAPHY PALAEOCLIMATOLOGY PALAEOECOLOGY, v. 457, p. 221-232, SEP 1 2016. Citações Web of Science: 3.
MONTEFELTRO, FELIPE C.; ANDRADE, DENIS V.; LARSSON, HANS C. E. The evolution of the meatal chamber in crocodyliforms. Journal of Anatomy, v. 228, n. 5, p. 838-863, MAY 2016. Citações Web of Science: 12.
BRONZATI, MARIO; MONTEFELTRO, FELIPE C.; LANGER, MAX C. Diversification events and the effects of mass extinctions on Crocodyliformes evolutionary history. ROYAL SOCIETY OPEN SCIENCE, v. 2, n. 5 MAY 2015. Citações Web of Science: 18.
MARSOLA, JULIO C. DE A.; GRELLET-TINNER, GERALD; MONTEFELTRO, FELIPE C.; LANGER, MAX C. The first Pan-Podocnemididae turtle egg from the Presidente Prudente Formation (Late Cretaceous, Bauru Group), Brazil. Zootaxa, v. 3872, n. 2, p. 187-194, OCT 8 2014. Citações Web of Science: 2.
MARSOLA, JULIO CESAR DE A.; GRELLET-TINNER, GERALD; MONTEFELTRO, FELIPE C.; SAYAO, JULIANA M.; HSIOU, ANNIE SCHMALTZ; LANGER, MAX C. The first fossil avian egg from Brazil. ALCHERINGA, v. 38, n. 4, p. 563-567, OCT 2 2014. Citações Web of Science: 5.
GODOY, PEDRO L.; MONTEFELTRO, FELIPE C.; NORELL, MARK A.; LANGER, MAX C. An Additional Baurusuchid from the Cretaceous of Brazil with Evidence of Interspecific Predation among Crocodyliformes. PLoS One, v. 9, n. 5 MAY 8 2014. Citações Web of Science: 19.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.